plan cul gratuit - plan cul toulouse - voyance gratuite amour

Literatura feminina é destaque em roda de conversa no 19º Festival de Inverno de Bonito

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Participantes debatem espaço da mulher na literatura. (foto: Daniel Rockenbach)

A literatura produzida por mulheres em Mato Grosso do Sul e no mundo foi tema de discussão em roda de conversa na sexta-feira (27) na Casa da Memória Raída durante o 19º Festival de Inverno de Bonito.

Mediada pela jornalista Evelise Couto, responsável pelo grupo de leitura Leia Mulheres em Campo Grande, a mesa foi composta pelas escritoras Tânia Souza, Gleiciele Nonato, Janete Zimmermann e a contadora de histórias Tatiana de Conto Sangalli. Além de contarem sobre suas experiências com o mercado editorial, elas discutiram as dificuldades de se posicionarem enquanto produtoras de literatura. “Para se ter uma ideia, entre 1965 e 2014 no Brasil, 70% dos autores publicados são homens e, em 2014, uma antologia com 101 autores ditos os mais significativos do mundo todo foi publicada, e apenas 14 eram mulheres”, observa Evelise Couto.

Janete acrescentou ponderando as muitas dificuldades que as mulheres têm para produzir, visto que ainda tem que se sustentar e cuidar de inúmeras outras responsabilidades seja com família ou estudo, “Como não bastasse a dificuldade que é se manter como autoras, ainda temos uma série de responsabilidades em nossas vidas que nos tomam tempo que seria precioso pra poder produzir.”

Grande público compareceu ao evento. (foto: Daniel Rockenbach)

A escritora Tânia Souza circula por vários gêneros literários, dentre eles literatura fantástica, sobre a qual pontua: “É um meio tomado por homens. Uma situação recente que enfrentei foi em uma coletânea que participei, dos 10 autores convidados, só eu era mulher. Existe muito preconceito entre as editoras e mesmo entre os leitores”. Nascida em Coxim, a autora Gleiciele Nonato faz uso da temática folclórica em sua produção. Indígena, ela conta que um dos focos de sua produção é manter viva a cultura Guató, da qual ela faz parte, “Eu uso as vivências da família, as histórias da minha bisavó mesmo, são muito presentes na minha escrita”. Gleiciele emocionou a plateia ao recitar sua poesia Índia do Rio.

A contadora que tem conto até no nome, Tatiana de Conto, adaptou a tradicional narrativa russa Vasalisa, com a interpretação de Clarissa Pinkola Estés, em sua apresentação, tendo a sensibilidade de trazer um desfecho em que empodera a personagem, transmitindo a ideia de que mulheres tem que apoiar umas às outras. Ela ressalta ainda, “Contar histórias não é apenas pra crianças. Todos precisamos de histórias, inclusive adultos como nós.”

O debate lotou o espaço e se prolongou após a apresentação, indicando um assunto que merece destaque. A pauta feminina continua hoje (28) às 14h, no mesmo local, com o tema Mulheres na História da Arte.

 

Gleiciane Nonato declama seu poema “Índia do rio”.

Para acompanhar as apresentações do Festival de Inverno de Bonito, sintonize a TVE Cultura ou acompanhe novidades pelo Portal da Educativa, no site e no Facebook.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.