plan cul gratuit - plan cul toulouse - voyance gratuite amour

Institucional

FM 104,7 [ AO VIVO ]

16 de abril de 2024 - 13:00

Estado lista potenciais de turismo e cultura em comunidades quilombolas

Furnas de Boa Sorte, em Corguinho

Levantamento socioeconômico e cultural que começa a partir do abraço, da comida, da água oferecida na porta de casa. A Subsecretaria de Políticas Públicas para a Promoção da Igualdade Racial, pasta ligada à Setescc (Secretaria de Turismo, Esporte, Cultura e Cidadania) está visitando as 22 comunidades quilombolas do Estado para identificar potencialidades no turismo, cultura, e educação, além das necessidades de cada local.

“Temos levantado a questão histórica, as potencialidades da comunidade para o turismo, a cultura, a educação, e quais necessidades podem ser viabilizadas via políticas públicas”, explica a titular da subsecretaria, Vânia Duarte.

Comunidade Quilombola Família Bulhões, em Nioaque

A visita começa nas associações de moradores, inclui caminhadas até os córregos e visita às casas da comunidade para verificar a situação das moradias, e chega a envolver conversas com gestores do município.

 

“A gente chega e vê o que é turismo, o que pode ser esporte. Por exemplo, na comunidade de Boa Sorte, em Corguinho, tem o Morro da Boa Sorte que precisa ser mais explorado e organizado. A comunidade tem disponibilidade para isso, e aí entra o Governo do Estado para tornar isso viável”, descreve.

 

Comunidade Quilombola Araújo Ribeiro, em Nioaque

Das 22 comunidades quilombolas de Mato Grosso do Sul, a subsecretaria já visitou as da região de Aquidauana, Rio Negro, Nioaque, Corguinho e Terenos.

“Temos direcionado também a questão da organização e da importância da associação de moradores, em conversas com gestores estamos fomentando a criação de coordenadorias municipais de políticas públicas para a promoção da igualdade racial”, pontua a subsecretária.

Para a subsecretária, a receptividade é a raiz do povo quilombola que recebe quem vem de fora com almoço e se despede dando mandioca, ponkan e tudo o que é produzido na comunidade.

“A maioria das comunidades já fazem isso de receber para o turismo, para a pesquisa, mas nós queremos estruturar e fazer com que o fluxo seja maior, e ali não fique apenas como fonte de pesquisa, e sim a marca do que é o quilombo no contexto da contemporaneidade, que são, por lei, as comunidades remanescentes que têm história coletiva e referência àquele período da escravidão, memória e trajetória própria”.

Paula Maciulevicius, Setescc
Fotos: SubsRacial 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *