plan cul gratuit - plan cul toulouse - voyance gratuite amour

Policiais ambientais são treinados para operar drones na fiscalização da piracema

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Campo Grande (MS) – Cerca de 30 policiais militares ambientais receberam instruções para operação de drones com o objetivo de aprimorar a fiscalização, especialmente durante o período de defeso iniciado dia para a proteção da piracema (reprodução dos peixes). Os policiais foram instruídos para operar três novos drones recebidos pela PMA. Além dos policiais militares ambientais, cinco militares do Grupamento Aéreo (GPA) também participaram da instrução, que contou com aulas teóricas e práticas sobre a nova tecnologia e normas legais de uso dos aparelhos.

O drone tem sido cada vez mais utilizado pela PMA na fiscalização, não só por facilitar o trabalho preventivo, mmas também para qualificar os relatórios em todos os tipos de infrações e crimes ambientais. As imagens dos drones reforçam as provas para subsidiar tanto os processos administrativos relativos à multas ambientais, que são julgados pelo Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul), e também os processos nas esferas cível e criminal.

Tecnologia na piracema

A tecnologia de drones utilizada durante a pesca aberta, também será fundamental durante o período de defeso, especialmente, para acompanhar os cardumes e para evitar pesca com petrechos ilegais em cachoeiras e corredeiras, pontos em que os cardumes ficam muito vulneráveis à pesca predatória.

Os aparelhos permitem que policiais instalados em postos fixos de cachoeiras ou corredeiras, possam monitorar outros pontos semelhantes, ou outros trechos no mesmo rio, com efetividade e redução de custo operacional.

Além de tudo, as imagens dos drones podem ser utilizadas para identificação dos criminosos, mesmo quando fogem, por características físicas pessoais e até das embarcações utilizadas. Dessa forma, sendo identificados, os pescadores responderão por crime ambiental de pesca predatória.

Com informações de Joelma Belchior – Sejusp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *