Minuto do Trabalhador: travas do preconceito impedem mulheres de avançar na profissão

Compartilhe:

Especialista avalia no Bom Dia Campo Grande que muitas profissionais abrem mão de oportunidades pela visão errônea de que não podem “competir” com os homens
Mulheres devem ignorar preconceitos e perceberem seu potencial, já reconhecido por superiores, ao lidar com proposta de ascensão profissional. (Foto: Fortune Magazine/Reprodução)
Mulheres devem ignorar preconceitos e perceberem seu potencial, já reconhecido por superiores, ao lidar com proposta de ascensão profissional. (Foto: Fortune Magazine/Reprodução)

Embora cada vez mais presentes no mercado de trabalho, as mulheres ainda são alvos de preconceitos quanto a sua capacidade que, mesmo sem perceber, acabam absorvidos pelas profissionais. Isso leva muitas delas a titubearem quanto a oportunidades surgidas no emprego, ao lhes fazerem questionar se teriam habilidades ou condições para assumir cargos de maior importância ou serem promovidas.

A análise é da psicóloga Daniela Athi, da Salt 3 Gestão Estratégica de Pessoas, que nesta quinta-feira (1º) participou do quadro Minuto do Trabalhador, do Bom Dia Campo Grande. À Educativa 104.7 FM, ela respondeu questionamento de uma ouvinte que preferiu não se identificar e relatou que, por duas vezes, recebeu proposta de promoção, mas sempre achou que não estaria pronta ao se comparar com os colegas homens. A intenção da participante do programa era saber como lidar com tal situação, que acabou impedido a ascensão profissional.

“É uma coisa comum, infelizmente. Na verdade, ao longo da vida, vão se formando crenças no nosso caráter e é através delas que a gente vai tomando decisões e adotando comportamentos”, destacou Daniela, colocando entre esses pensamentos a falsa percepção de que a mulher não teria condições e exercer as mesmas atividades que os homens.

“Historicamente, ao começarem no mercado, as mulheres não tinham destaque. Foi se ‘aprendendo’ que os homens são melhores no trabalho e a mulher deve assumir a casa. Fica no cérebro essa crença limitante e, com isso, elas se tornam mais inseguras porque acreditam que não são merecedoras das conquistas, que o homem têm de se dedicar mais e a mulher têm outras coisas a fazer. Que ela não estará 100% na carreira. Isso torna as mulheres mais inseguras”, prosseguiu a psicóloga, descartando que essas questões profissionais dependam do gênero.

Daniela Athi recomenda que as profissionais que se sintam desta forma busquem algum auxílio para mudar essa perspectiva. “Há uma questão forte no mercado de trabalho que se chama ‘síndrome do impostor’, como se fosse a baixa autoestima do profissional. A pessoa nunca se acha merecedora daquilo, que o chefe pode lhe promover ou se alguém a elogiou”, afirmou. Como resultado, a pessoa não consegue reconhecer o próprio potencial.

“Recomendo que se procure um coaching, uma ajuda para reforçar sua capacidade, um psicólogo ou terapia para fazer ela enxergar suas qualidades, seu lado bom, e crescer. Se ofereceram a promoção é porque a pessoa tem capacidade boa. A insegurança é muito mais dela, não do mercado”, sentenciou a especialista.

Por fim, Daniela Athi também reconheceu que tais preconceitos quanto a capacidade das mulheres também existem em grande parte das empresas. “Aquelas com gestão mais moderna, um RH estratégico e visão ampla consegue enxergar que o autocontrole e a tomada rápida de decisões são características fortes das mulheres. Quando enxergam isso, tratam com igualdade”, disse, ao considerar que o empresariado, neste caso, compreende que pode usar essas características em prol dos negócios.

O Minuto do Trabalhador é um dos quadros temáticos do Bom Dia Campo Grande que, diariamente, traz informações sobre temas importantes para os ouvintes –como Direito do Consumidor (segundas-feiras), Direito Trabalhista e Previdenciário (terças), Saúde (quartas), Mercado de Trabalho (quintas) e Tecnologia (sextas). Você pode participar mandando suas dúvidas e sugestões para e-mail reporter104fm@gmail.com ou pelo WhatsApp, via mensagem de voz ou de texto, no número (67) 99333-1047.

Sintonize – Com produção de Rose Rodrigues e Alisson Ishy e apresentação de Maristela Cantadori e Anderson Barão, o Bom Dia Campo Grande permite a você começar o seu dia sempre bem informado, por meio de um noticiário completo, blocos temáticos e entrevistas sobre assuntos variados. O programa vai ao ar de segunda a sexta-feira, das 7h às 8h30, na Educativa 104.7 FM e pelo Portal da Educativa.  Os ouvintes podem participar enviando perguntas, sugestões e comentários pelo WhatsApp (67) 99333-1047 ou pelo e-mail reporter104fm@gmail.com.


Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *