plan cul gratuit - plan cul toulouse - voyance gratuite amour

Governo de MS declara situação de emergência por conta de queimadas

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Decisão foi tomada na noite de terça-feira e será publicada na quinta; mais de 1 milhão de hectares já foram consumidos por chamas no Estado
Verruck (em pé ao centro) anunciou decreto que será usado para busca de auxílio e ações emergenciais no combate às queimadas. (Foto: Pedro Amaral/Fertel)
Verruck (em pé ao centro) anunciou decreto que será usado para busca de auxílio e ações emergenciais no combate às queimadas. (Foto: Pedro Amaral/Fertel)

O Governo de Mato Grosso do Sul vai decretar situação de emergência em virtude do aumento considerável, nos últimos dias, do número de queimadas que atingiram áreas rurais e de preservação ambiental em diferentes regiões. O anúncio foi feito nesta quarta-feira (11) pelo secretário de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Sustentável, Produção e Agricultura Familiar, Jaime Verruck, ao lado de integrantes da Sala de Situação Integrada que monitora a situação climática no Estado, localizada no Palácio das Comunicações, em Campo Grande.

A decisão de se baixar o decreto foi tomada na noite de terça-feira (10) pelo governador Reinaldo Azambuja, após reunião com representantes da Semagro, do Ibama-MS (Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis do Estado) e do PrevFogo, que analisaram dados sobre incêndios em áreas urbanas e rurais nos últimos dias e concluíram pela necessidade da medida diante da previsão de que o Estado não terá chuvas significativas, pelo menos, nas próximas duas semanas.

Com o dispositivo, o Estado poderá realizar a aquisição de produtos e contratar serviços para combate às chamas sem licitação, habilitando-se ainda para receber ajuda federal por meio de maquinário, equipamentos e forças militares. Pedidos nesse sentido já forma enviados nesta quarta a Brasília.

Verruck salientou que, nos últimos dois dias, houve um aumento significativo no volume de focos de incêndios no Estado, que vem recebendo atuação das equipes do Ibama-MS, PrevFogo, Corpo de Bombeiros, Polícia Militar Ambiental e outras estruturas de governo. Ao todo, mais de 1,5 mil pessoas atuam no enfrentamento às chamas, segundo o coordenador estadual de Defesa Civil, tenente-coronel BM Fábio Catarinelli.

A Biosul, entidade que congrega empresas do setor de açúcar e álcool, também se comprometeu a colaborar no combate às chamas, usando a experiência de controle de queimadas em canaviais.

O presidente da Famasul (Federação de Agricultura e Pecuária de MS), Maurício Sato, participou da entrevista, lembrando que há “um prognóstico climático desfavorável e o monitoramento do Estado é fundamental”. Segundo ele, a ausência de chuvas e a onda de calor de alto risco devem influenciar no atraso do plantio da próxima safra de soja.

Números

A Defesa Civil contabilizou que, entre julho e agosto, houve um aumento de mais de 300% no número de focos de calor no Estado na comparação com o mesmo período do ano passado. Estima-se, que entre 1º de agosto e 9 de setembro, o Estado tenha perdido 1,027 milhão de hectares em incêndios. Neste ano, já são 6,3 mil queimadas identificadas, sendo 1.552 apenas em setembro e 397 nas últimas 48 horas, segundo dados do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Especiais) apresentados por Catarinelli.

A expectativa, conforme o secretário, é que o decreto ajude no aumento da mobilização de forças para enfrentamento às chamas em um mês tradicionalmente de calor e baixa umidade do ar, contando, inclusive, com acréscimo de aeronaves nas ações. Os bombeiros já trabalham em escala especial para atuar em focos de calor nas zonas urbanas e rurais.

Paralelamente, Verruck lembrou que a legislação estadual proíbe o manejo de terras com queimadas, controladas ou não, entre agosto e setembro –e até outubro na bacia pantaneira. O governo estima que 90% dos focos de calor que surgiram no Estado nos últimos tempos, apesar do calor e do tempo seco, tiveram origem em ação humana “foram provocados por ação humana, seja voluntária ou não”.

Os bombeiros também realizam sobrevoos no Pantanal e na Serra da Bodoquena em busca de locais que ainda estejam em chamas e para mapear a extensão das queimadas –as duas regiões foram as mais castigadas com focos de calor nos últimos dias.

Participaram do anúncio o Chefe do Estado Maior do Corpo de Bombeiros, coronel Edson Zanlucas; o coordenador estadual de Defesa Civil, tenente-coronel Fábio Catarinelli; Franciene Rodrigues, coordenadora do Centro de Monitoramento do Tempo e Clima de Mato Grosso do Sul (Cemtec), e representantes do Imasul e da Polícia Militar Ambiental; além de Maurício Saito, da Famasul.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *