plan cul gratuit - plan cul toulouse - voyance gratuite amour
Pular para o conteúdo

Institucional

FM 104,7 [ AO VIVO ]

24 de junho de 2024 - 02:48

Ex-combatentes da FEB e pesquisadores da 2ª Guerra Mundial são homenageados na ALMS

Nesta semana, pessoas e entidades cujos trabalhos e ações enalteceram a Força Expedicionária Brasileira (FEB) e seus heróis que lutaram na 2ª Guerra Mundial na Itália contra a intolerância e o racismo da Alemanha nazista, foram homenageados pela Assembleia Legislativa de MS, em sessão solene proposta pelos deputados Lídio Lopes  e George Takimoto.

Atualmente os ex-combatentes sul-mato-grossenses fazem parte da Associação dos Veteranos da FEB e compuseram, à época, o 9º Batalhão de Engenharia de Combate de Aquidauana. São eles: Agostinho Gonçalves da Mota (93 anos), Isidoro Teodoro da Silva (93 anos), Manoel Castro Siqueira (95 anos), Januário Antunes Maciel (96 anos), Moacir Aleixo (97 anos) e Justino Pires de Arruda (98 anos).

Emocionado, Agostinho da Mota, que hoje preside a seção Regional da Associação, agradeceu a homenagem. “Foi muito importante o que a FEB fez e tudo o que passamos na guerra. Hoje essa honraria faz com que as pessoas também se lembrem da nossa Associação e o que os combatentes conseguiram. Isso não pode ser esquecido. Naquela época eu tinha 20 anos, me chamaram e eu tenho o maior orgulho de ter gravado meu nome na história. Não consegui terminar o ensino primário, mas tive muita experiência de vida e muito amor à causa do Brasil”, enfatizou Mota.

Januário Maciel conta que tinha 17 anos quando foi convocado para lutar. “Estava servindo em Campo Grande e logo que me apresentei já jurei a bandeira e me mandaram para o Rio de Janeiro. De lá fui para a Itália. Foi difícil, mas hoje estou feliz e agradeço muito a homenagem”, ressaltou. Ele mostrou com orgulho a boina com o símbolo dos pracinhas – uma cobra fumando – pois à época, devido ao frio na Itália e ao despreparo dos soldados, diziam que era “mais fácil uma cobra fumar do que o Brasil ganhar”.

Participação terena na 2ª Guerra Mundial

O jornalista e pesquisador Geraldo Duarte Ferreira, nascido em Aquidauana, foi um dos homenageados diante da relevância de sua pesquisa intitulada “Participação Terena na 2ª Guerra Mundial – Vucápanavo”.

Para Geraldo, o intuito de sua obra é o de resgatar a visibilidade dos índios terena na Segunda Guerra Mundial, fato muitas vezes suprimido ou desconhecido da maioria da população sul-mato-grossense. “Imagine para um índio que morava à beira do rio ter sido convocado a se alistar, a entrar em um navio, atravessar o oceano e se deparar com o frio e a neve da Itália, palco de diversas batalhas da FEB nessa época. A importância e o valor histórico disso são primordiais para que essa geração possa entender o quanto contribuíram para a queda dos regimes nazista e fascista no mundo”, explicou.

O jornalista deve concluir e, breve seu livro, fruto de sua pesquisa, em que analisou 26 mil nomes e sobrenomes nos registros do Exército Brasileiro a fim de identificar os combatentes de origem terena.

Ainda foram homenageados pela ALMS: Ângela Santos Siqueira, Arthur Jorge Ferreira do Amaral, Arthur Martins Lopes, Francisco das Chagas Alves, Helton Costa, Iran Rodrigues Gonzaga Júnior, Januário Antunes Maciel, João Francisco Ferreira, Joaquim Fernandes Sanche da Silva, José Mário Antunes da Silva, Justino Pires de Arruda, Niedson de Carvalho Mendonça, Paulo Baltazar, Rita de Cássia de Barros Galícia, Rosângela Lieko Kato, Rubens Alberto Rodrigues Januário e Yuri Yasuo.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *