plan cul gratuit - plan cul toulouse - voyance gratuite amour
Pular para o conteúdo

Institucional

FM 104,7 [ AO VIVO ]

18 de junho de 2024 - 11:21

Publicado extrato de adesão de contrato para emissão dos cartões do Mais Social

O Diário Oficial do Estado (DOE/MS) traz, nesta quarta-feira (12), a publicação do extrato de termo de adesão de contrato com o Banco do Brasil, assinado pela titular da Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Assistência Social e Trabalho (Sedhast), Elisa Cleia Nobre. Na prática essa medida é um passo importante para a emissão dos cartões do Mais Social. O benefício, que chegará a 100 mil famílias de MS, é uma ação do Governo do Estado e pagará R$ 200 a cada beneficiário.

O secretário-adjunto da Sedhast, Adriano Chadid, explica essa adesão. “O Governo do Estado já tem um contrato com o Banco do Brasil. Aderimos ao contrato vigente, o que agiliza ainda mais o processo de emissão dos cartões do benefício”, disse. Chadid explica ainda que o contrato tem um valor global de R$ 13,5 milhões até o seu final, em dezembro de 2023, mas que o pagamento a instituição financeira é proporcional aos serviços executados.

O investimento do Governo do Estado, por ano, em pagamento de benefícios do Mais Social está previsto para R$ 182 milhões. A publicação completa pode conferida na página 17 do DOE/MS 10.504.

Mais Social

O Mais Social é um auxílio pensado pela equipe do Governo do Estado de Mato Grosso do Sul para atender as famílias em situação de vulnerabilidade social, insegurança alimentar e nutricional. O programa vai pagar R$ 200 mensais para beneficiários que têm renda mensal familiar per capita inferior a meio salário mínimo. As 100 mil famílias beneficiárias do Mais Social estão sendo extraídas conforme dados disponibilizados pelo CadÚnico. Conforme a regulamentação do programa será concedido um benefício por família.

Equipes da Sedhast estão realizando o contato com os beneficiários, portanto é necessário aguardar a visita desses grupos de trabalho que estarão devidamente identificados e respeitando as normas de biossegurança adequadas ao atual momento de pandemia.

Leomar Alves da Rosa, Sedhast

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *