plan cul gratuit - plan cul toulouse - voyance gratuite amour

Institucional

FM 104,7 [ AO VIVO ]

23 de abril de 2024 - 07:09

Programa da UEMS acolhe imigrantes, ensina Língua Portuguesa e cria novas oportunidades

Hager pode vender seus pães após aprender a língua portuguesa (Foto: Arquivo pessoal)

A migrante do Egito, Hager Farhat Mohamed, de 25 anos, nasceu em Fayoum e está há quase dois anos no Brasil. Ela reside em Nova Andradina com o marido e dois filhos.

Chegou ao país sem saber nada da comunicação em língua portuguesa e com as aulas do UEMS Acolhe no curso de “Português para Migrantes Internacionais: Módulo Acolhimento” ela aprendeu o idioma e agora pode produzir e vender pães árabes na cidade.

“Antes de ir para Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), eu não sabia de nada, então não poderia responder se me perguntassem meu nome ou de onde eu era. No curso me incentivaram a falar na frente das pessoas. Eu era muito tímida e não sabia falar, mas agora posso!”, conta Hager.

Hager aprendeu a fazer os pães com sua mãe e avó (Foto: Arquivo pessoal)

Ela iniciou vendendo pães na maior feira de Nova Andradina, mas agora vende apenas por encomendas diretamente em sua casa, pois precisa cuidar dos filhos pequenos. “Aprendi a fazer esse pão no Egito com minha avó e minha mãe, muita gente adora e vem em casa pedir. Agora não estou vendendo pães na feira, mas quero voltar”, ressalta.

A história de Hager Mohamed demonstra que a inclusão social também é feita por meio da língua Portuguesa. O curso também contribuiu na vida de Stênio Archelus, de 35 anos, que está no Brasil há 12 anos. Ele é Haitiano e ao chegar no Brasil morou no Rio de Janeiro, um amigo que morava em Dourados indicou para ele a cidade, ele se mudou e está em Dourados há mais de quatro anos.

“Para mim o curso de português foi excelente, pois é muito participativo e me ajudou muito a dar meu primeiro passo na língua portuguesa. Me deu ferramentas para atuar no meu trabalho e com meus vizinhos, hoje sou capaz de me comunicar melhor com meus colegas e supervisores. Nas aulas de português todos nós temos interagir, isso nos ajuda a aprender muito mais rápido e todos os professores são excelentes, muito colaborativos com cada um de nós”, recordou Yulennys.

A professora da UEMS, Rosa Maria Farias Asmus, é voluntária do programa. Ela leciona há cerca de 32 anos e no segundo semestre de 2023 foi a primeira vez que teve a experiência de ministrar aulas para migrantes internacionais.

Yulennys deu os primeiros passos na língua portuguesa no UEMS Acolhe (Foto: Arquivo pessoal)

“Sou professora desde muito tempo, sempre com alunos brasileiros, no sistema de ensino praticado no Brasil. Trabalhar com alunos que não compreendiam nossa língua com clareza, muitas vezes, inicialmente, nada compreendiam, com diversidade de idades, vivências e distanciamentos da escola, mas com muita vontade de aprender, foi um grande e encantador desafio. Foi necessário entendê-los primeiro, cativá-los, criar pontes com temas comuns que ligassem nossas vivências e interesses. Foi uma experiência muito gratificante, que estimulou a vontade de continuar trabalhando para ajudar mais e melhor nas futuras turmas”, conta a professora.

O coordenador do programa, João Fábio Sanches Silva, ressalta que o UEMS Acolhe tem o potencial, enquanto uma tecnologia social, de favorecer, de promover, de incentivar cada vez mais a inserção social de imigrantes internacionais no estado de Mato Grosso do Sul.

“Na UEMS isso ocorre não só a partir dos cursos de português, mas pelo próprio sentimento de pertencimento a este local. E no âmbito do estado de Mato Grosso do Sul, o programa UEMS Acolhe vem já há anos contribuindo exatamente para o fortalecimento dessa comunidade. Porque não são apenas os cursos de português oferecidos, mas as orientações de caráter do cotidiano para essa população, junto com todos os nossos parceiros que fortalecem cada vez mais esse sentimento de solidariedade, de fraternidade e de acolhida. Com toda certeza a UEMS e o Governo do estado de Mato Grosso do Sul fazendo a diferença na vida dessas pessoas”, enfatiza.

A professora voluntária Rosa Asmus durante aula para os migrantes internacionais (Fotos: UEMS Acolhe)

Cerimônia de certificação

A UEMS certifica 166 pessoas no Curso de Extensão “Português para Migrantes Internacionais: Módulo Acolhimento” nos dias 30 e 31 de janeiro em Dourados e Campo Grande, respectivamente.

A certificação será para os alunos que concluíram o curso no segundo semestre de 2023. Participaram do curso alunos de 18 países: Argentina, Bolívia, Colômbia, Egito, Haiti, Iêmen, Inglaterra, Irã, Itália, Nigéria, Paraguai, Peru, Senegal, Síria, Suécia, Tunísia, USA e  Venezuela. Em Dourados participaram 79 alunos no total, com 38 colaboradores; em Campo Grande foram 83 alunos e 32 colaboradores; e em Nova Andradina foram 4 alunos e 5 colaboradores.

A solenidade ocorrerá em Dourados no dia 30 de janeiro de 2024, às 19h30, na Primeira Igreja Batista (PIB), localizada na Rua João Cândido da Câmara, n° 10, Centro. Em Campo Grande será no dia 31 de janeiro de 2024, às 19h30, na Escola Superior da Defensoria Pública de MS, localizada na Rua Raul Pires Barbosa, 1464, Chácara Cachoeira.

Inscrições para 2024

Em fevereiro acontecerá a chamada para voluntários e capacitação.  Ainda em fevereiro também ocorrerá  a inscrição de alunos para o curso de português, com início das aulas na primeira semana de março.

Eduarda Rosa, Comunicação UEMS

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *