plan cul gratuit - plan cul toulouse - voyance gratuite amour
Pular para o conteúdo

Institucional

FM 104,7 [ AO VIVO ]

24 de maio de 2024 - 00:38

Fátima do Sul e Nova Alvorada terão encenação da Paixão de Cristo

 

“A Paixão de Cristo”, do Grupo Transart, será encenada no sábado (19.03), em Nova Alvorada do Sul, e no domingo (20.03), em Fátima do Sul, às 20h, no Ginásio Municipal de Esportes das respectivas cidades. A peça vem sendo montada desde 197 e apresenta a saga de Jesus Cristo. A direção é de Edilton Ramos e a produção conta com cerca de 80 integrantes, entre atores e figurantes.

O diretor explica que a peça começa com o encontro de Jesus com João Batista e há também a cena de Jesus com a samaritana, no poço. “Eu não invento, não altero o texto bíblico, apenas crio algumas situações para se chegar num determinado momento”.

Edilton diz que a ideia de montar “A Paixão de Cristo” partiu de um monólogo encenado por ele em 1977 intitulado “A Constante Testemunha”, em que há o diálogo de Deus falando com as pessoas, demonstrando um conflito entre criador e criatura. Este monólogo aborda a história de Cristo.

A primeira versão da Paixão de Cristo, em 1979, foi encenada como uma pantomima, um espetáculo de mímica, sem diálogos, apenas com sonoplastia, iluminação e música instrumental. O Grupo de Teatro Transart surgiu em 1976, ano em que montou o seu primeiro espetáculo, uma estória de amor intitulada “Tudo por Helena”, inspirada nas fotonovelas da época. O grupo decidiu montar pela primeira vez “A Paixão de Cristo” em 1979, que foi encenada em Campo Grande no Ginásio da UCE e em Aquidauana na quadra Big Lar.

Em 1994 foi realizada a primeira grande turnê da Paixão de Cristo por cidades do interior, patrocinada pelo Governo do Estado. Em 2000, o grupo contou com benefícios oferecidos pela Lei Rouanet por meio do patrocínio da Eletrobrás e realizou uma turnê pelo Estado e também com apresentações em São Paulo (Ginásio da Portuguesa) e Guarulhos (Ginásio Thomeusão). Em 2003, a Paixão de Cristo contou com patrocínio do Fundo de Investimentos Culturais (FIC).

O espetáculo tem o apoio do Governo do Estado de Mato Grosso do Sul por meio de sua Fundação de Cultura.

(Assessoria de imprensa FCMS/Karina Lima)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *