MS no Rádio: Famílias que terão ajuda do Estado poderão acumular benefícios

Compartilhe:

As famílias que serão amparadas pelo programa Mais Social, que se tornou lei com a sanção do governador Reinaldo Azambuja nesta segunda-feira, poderão acumular o benefício com outros programas federais. Isso significa que mesmo inserido no programa Bolsa Família, o beneficiário poderá receber a ajuda do Estado, com o cartão alimentação no valor de R$ 200. A informação é da secretária estadual dos Direitos Humanos,  Assistência Social e Trabalho, Elisa Cleia Nobre, em entrevista ao MS no Rádio da Educativa FM 104.7. Segundo ela, todas as 30 mil famílias que hoje recebem o Vale Renda do Estado, serão transferidas para o programa Mais Social. O único critério é ter renda per capita de meio salário,  ou seja, cada membro de uma família não pode ter renda acima de R$ 550.

A secretária lembra que o cartão será exclusivo para compra de alimentos e produtos de limpeza e higiene pessoal. A proposta de lei foi apresentada na semana passada pelo governador e aprovada na Assembleia Legislativa na última quarta-feira (31). “Este programa é extremamente importante para diminuir o sofrimento das famílias em situação de vulnerabilidade e vulnerabilidade extrema”,  destacou a secretária, advertindo que serão proibidas a aquisição de bebidas alcóolicas e produtos à base de tabaco, sob pena de exclusão do beneficiário do programa. Elisa Cleia Nobre explicou que as famílias não precisam se deslocar a nenhum endereço para fazer cadastro ao novo benefício e que equipe da secretaria vai utilizar o Cadastro Único (CadÚnico)”.

Flexibilização das restrições 

Passou a valer a partir desta segunda-feira, 5, o novo Decreto do Governo do Estado que traz as medidas restritivas para conter o avanço dos casos de Covid-19 no Estado. Porém, as regras serão determinadas conforme o grau de risco indicado pelo Prosseguir, para cada município.

Nas cidades de bandeiras verde, amarela e laranja, o toque de recolher, por exemplo, será mais flexível, das 22h até às 5 da manhã. Já os municípios de bandeira vermelha a partir das 21h e na “cinza”, o toque de recolher permanece das 20h até às 5 da manhã.

Será permitido o funcionamento de praticamente todas as atividades econômicas, mas os estabelecimentos devem continuar cumprindo as medidas e protocolo de biossegurança.

Ouça  reportagem

 

Boletim da Covid

Os números da Covid-19, continuam a subir em Mato Grosso do Sul. De acordo com o boletim epidemiológico foram registrados 831 novos casos, totalizando 221.725 desde o início da pandemia. Média móvel de 1.329,4 ao dia. As mortes já somam 4.513. Foram 32 só nas últimas 24 horas. Média móvel de 50 óbitos ao dia. 1.031 óbitos só no mês de março. Números que segundo o Secretário de Saúde Geraldo Resende são o reflexo da atitude irresponsável de parte da população. Os casos ativos são 15.662.  14.371 estão hoje em isolamento domiciliar. Outros 1.291 precisaram de internação. 741 estão em leitos clínicos e 550 em leitos de UTI.

Ouça a reportagem

 

 


Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *