Governo ativa presídio de regime fechado no complexo penitenciário da Gameleira

Compartilhe:

Campo Grande (MS) – O Governo do Estado de Mato Grosso do Sul, por meio da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) e da Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen), iniciou a operacionalização da Penitenciária Estadual Masculina de Regime Fechado da Gameleira, na Capital, com a transferência dos primeiros reeducandos. A unidade foi inaugurada em novembro do ano passado.

Provenientes do Estabelecimento Penal “Jair Ferreira de Carvalho” (EPJFC) – presídio de Segurança Máxima de Campo Grande – a ação foi realizada sob a escolta de policiais penais integrantes do Comando de Operações Penitenciárias (COPE), e o número de internos não será divulgado por questões de segurança. Todos os presos estão recebendo uniformes ao adentrar no presídio.

Durante a transferência, a Sejusp reforçou a segurança no presídio com apoio de outras forças policiais, inclusive com uso de helicóptero, como forma de garantir o total sucesso da operação.

A partir da ativação, ampliará a possibilidade de desenvolvimento de ações de ressocialização e a reestruturação dos espaços nos pavilhões da unidade penal do Jardim Noroeste.

Com 603 vagas, a Penitenciária Estadual Masculina da Gameleira traz um incremento de cerca de 15% na capacidade do regime masculino fechado de Mato Grosso do Sul, onde há maior demanda de custodiados.

Para a ativação da unidade, os servidores da Agepen receberam treinamento especializado, promovido com o apoio do Departamento Penitenciário Nacional (Depen), através da Penitenciária Federal de Campo Grande. Esse é o primeiro presídio do Estado a ser totalmente operacionalizado por policiais penais de carreira, desde a segurança interna à vigilância das muralhas.

As portas das celas são abertas pelo piso superior – sem contato direto dos servidores com os internos. Todas as tomadas de energia são instaladas no lado de fora das celas e os solários são telados na parte superior, impedindo o arremesso de materiais ilícitos.

Totalmente edificada com concreto usinado, material resistente que dificulta escavação de buracos ou quebra das paredes, o presídio conta com 101 celas coletivas e individuais (isolamento), salas de aula, setores administrativos e de assistência psicossocial, ala de saúde, áreas de visita, entre outros espaços.

Segundo o diretor-presidente da Agepen, Aud de Oliveira Chaves, a ativação do novo presídio de regime fechado da capital contribui para desafogar o sistema penitenciário. “Esse pioneirismo de ser totalmente gerida por servidores de carreira representa a evolução que a instituição vem conquistando, graças ao apoio do Governo do Estado e da Sejusp. Temos profissionais competentes para tornar esta unidade penal uma referência para outros Estados”.

CONCURSO DA POLÍCIA CIVIL

O Governo de Mato Grosso do Sul vai retomar nos próximos dias o concurso público de 2017 para escrivães e investigadores da Polícia Civil. Conforme o governador Reinaldo Azambuja, edital com a convocação dos candidatos para o curso de formação será publicado no Diário Oficial do Estado (DOE-MS).

O certame foi suspenso pela Justiça após contestação da prova prática de digitação feita pelo Ministério Público Estadual (MPMS). Com a validação da fase pelo Judiciário, o Governo do Estado foi autorizado a retomar o processo para contratação dos agentes da Polícia Civil, do quadro de pessoal permanente da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp).

Ampliação – Além de autorizar a retomada do processo com a convocação dos candidatos aprovados, Reinaldo Azambuja anunciou que vai ampliar o número de vagas do concurso “devido à necessidade de aumentar o efetivo de servidores que atuam na área da segurança pública”. A área é considerada pela atual gestão como prioridade dentro do Governo.

Ao todo, serão convocados para o curso de formação da Polícia Civil 120 candidatos para o cargo de escrivão e 100 para a função de investigador. Inicialmente, o certame previa 100 vagas para escrivães e 80 para investigadores.

Texto: Keila Oliveira e Tatyane Santinoni – Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen) e Bruno Chaves, da Subcom

Foto: Saul Schramm
Publicado por: rcribeiro@sejusp.ms


Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *