Governo adere à campanha “Sinal Vermelho” contra a violência doméstica

Compartilhe:

Uma campanha nacional de ajuda a vítimas de violência doméstica em tempos de pandemia: essa é a “Sinal Vermelho”, lançada em todo o país no dia 10 de junho. Em Mato Grosso do Sul, ela está sendo desenvolvida pela Coordenadoria da Mulher do Tribunal de Justiça e conta com a parceria do Governo do Estado, por meio da Subsecretaria Estadual de Políticas Públicas para Mulheres.

A juíza Helena Alice Machado Coelho, que responde pela Coordenadoria da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar em Mato Grosso do Sul, explica o objetivo da campanha. “É uma iniciativa da AMB [Associação dos Magistrados Brasileiros] em parceria com o CNJ [Conselho Nacional de Justiça], e tem como objeto incentivar que as mulheres vítimas de violência doméstica procurem uma farmácia com um X vermelho na mão e o exibam ao atendente ou farmacêutico. Este, por sua vez, acionará a polícia pelo telefone 190″, afirma.

Ele diz ainda que a ação é uma resposta conjunta de membros do Poder judiciário ao aumento da violência doméstica em razão da pandemia. “É importante ressaltar que os profissionais que trabalham nas farmácias não serão levados à delegacia como testemunhas do crime”, acrescenta.

A subsecretária estadual de Políticas Públicas para Mulheres, Luciana Azambuja, manifesta adesão à campanha, destacando que “o X vermelho na mão é uma forma da mulher pedir ajuda, sem precisar de palavras”. “Em tempos de pandemia, quando a convivência familiar está ampliada e o agressor está sempre por perto, ter códigos silenciosos é muito importante. Nós apoiamos a iniciativa, que vem para oferecer mais proteção às mulheres”.

Para o secretário de Governo e Gestão Estratégica de Mato Grosso do Sul, Eduardo Riedel, a iniciativa reafirma a posição do governo quanto ao enfrentamento à violência de gênero. “Essa questão é vista por nós como uma política de Estado, que deve ser tratada de forma transversal, com participação de todas as pastas e com esforços de todos nós, para a erradicação da violência contra as mulheres e para a construção de uma sociedade mais justa e mais igualitária. Nossos parabéns ao CNJ e AMB pela iniciativa”.

Primeiros resultados

Na semana passada, a Polícia Militar foi acionada, por meio do Promuse (Programa Mulher Segura), para atender uma mulher que estava sendo mantida em cárcere privado e em violação de direitos, graças a uma foto enviada para um familiar, com o X vermelho na mão.

 

 Jaqueline Hahn Tente, Secid


Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *