plan cul gratuit - plan cul toulouse - voyance gratuite amour

A necessidade do “nada” na vida das crianças

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

 


Disponibilizar tempo para brincar. Mas não meia hora. Meia hora é um tempo muito delimitado. O pensar, o criar, o fazer, o acontecer… não é em meia hora que vai acontecer esse brincar”.

A frase acima é de uma professora de uma das seis escolas brasileiras que se dispôs a olhar o brincar dentro de seu território e com suas crianças, e em diálogo constante com o programa Território do Brincar. Essa troca, que propunha potencializar o brincar dentro e fora da escola, resultou em produções que foram lançadas pelo programa em 2015 – a exemplo do documentário Território do Brincar – Diálogos com escolas e de seu livro homônimo.

Afinal, como disseram os participantes desse diálogo, é necessário tempo largo para que os pequenos brinquem e explorem livremente o que há ao seu redor. Ou, como nas palavras da coordenadora do programa Território do Brincar, Renata Meirelles, precisamos criar oportunidades para a criança poder ser aquilo que ela é. “O ócio é potente na infância para que a criança possa se alimentar daquilo que vem de dentro pra fora”, afirmou a educadora em entrevista.

No entanto, para especialistas, a nossa sociedade não tem investido em tempo, espaço e tampouco circunstância para o brincar dessas crianças. Em palestra no evento trianual do International Play Association (IPA World), cuja última edição aconteceu em setembro em Calgary, no Canadá, o psicólogo e pesquisador Peter Gray alertou que a sociedade atual sofre do que ele chama de Transtorno de Déficit do Brincar.

Baseando-se em análises históricas e sociais dos Estados Unidos e de outros países, o pesquisador chegou à conclusão que, nos últimos 60 anos, houve um forte declínio do brincar. Paralelamente a isso, ocorreu o aumento de depressão, transtorno de ansiedade e suicídio entre crianças e jovens. “O desenvolvimento integral, considerando o desenvolvimento intelectual, emocional, social e cultural das crianças, está direta e intrinsecamente relacionado à possibilidade delas brincarem livremente”, afirmou.

Mais informações e referências a esta palestra podem ser encontradas no site do Centro de Referências em Educação Integral e do IPA World (em inglês).

Fato é que o ócio e o “nada” são fundamentais para que as crianças tenham autonomia na realização de seus quereres. O tempo cronometrado, fragmentado, enfraquece a possibilidade de exploração da potência e da imaginação. E sendo assim, corroído pelo acúmulo de horários rígidos, atividades e obrigações, o ócio e tudo aquilo que se desdobra a partir dele vêm perdendo seu espaço.

Nesse sentido, um livro publicado pelo filósofo Byung-Chul Han traz algumas observações relevantes para esse debate. Na obra Sociedade do Cansaço, o autor volta seu olhar para a sociedade deste início de século 21 que, segundo ele, é uma sociedade do desempenho e do trabalho. Somos estimulados 24 horas por dia, sete dias por semana, dispostos a executar múltiplas tarefas concomitantemente e sempre mergulhados em um excesso de estímulos, informações e impulsos.

Desprovidos de tempo livre e de espaço, acabamos sendo consumidos pelo cansaço, destruindo qualquer possibilidade de entrega ao lazer, à festividade e à contemplação. “O excesso da elevação do desempenho leva a um infarto da alma”, afirma o filósofo. “Aparentemente, temos tudo; só nos falta o essencial, a saber, o mundo. O mundo perdeu sua alma e sua fala, se tornou desprovido de qualquer som”, diz.

O cenário estabelecido pelo autor dialoga, de certa forma, com a visão de Peter Gray e seu discurso de que é urgente restaurar às crianças o direito de brincar. Como apontou o psicólogo, é inconcebível que familiares e escolas estejam olhando, hoje, para esse momento da vida como uma mera fase de construção de currículo, eliminando todo o potencial lúdico e expressivo da infância.

O brincar permite à criança elaborar o mundo, dá sentido a suas experiências internas e externas, amplia sua compreensão do entorno. Segundo Gray, com a perda do brincar livre, perde-se a essência da infância.

É para essa direção que queremos caminhar? Muito tempo atrás, o escritor mineiro Guimarães Rosa já nos anunciava a importância do elemento contemplativo: “Quando nada acontece, há um milagre que não estamos vendo”.

Por tudo isso, sim: já é tempo de nos posicionarmos em defesa do “nada” na vida das nossas crianças.

Foto: Divulgação/Território do Brincar

FONTE: Conexão Planeta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.