plan cul gratuit - plan cul toulouse - voyance gratuite amour

Situação de emergência em Bonito: Entenda como as queimadas afetam a Capital do Ecoturismo

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Não que Bonito tenha entrado em situação de emergência decorrente do fogo, isso precisa ficar bem claro, mas o fogo traz uma série de prejuízos, principalmente a saúde”…

A Capital do Ecoturismo de Mato Grosso do Sul está entre os quatro municípios do Estado com situação de emergência reconhecida pelo Governo Federal, devido a incêndios florestais em parques, áreas de proteção, reservas e matas. O decreto da Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil foi publicado na edição da última sexta-feira (1º) do Diário Oficial da União e inclui também Corumbá, Aquidauana e Miranda.

Foto: Arquivo Portal-E (Jabuty)

Conforme o secretário de Meio Ambiente e coordenador da Defesa Civil de Bonito, Edmundo Dinelli, nos últimos meses foram registrados vários focos de queimadas na região, com destaque para um incêndio de maior proporção na Fazenda São Domingos. “O primeiro grande foco foi na Fazenda Guajuvira, depois nós tivemos um fogo grande na São Domingos, que queimou por uns quatro a cinco dias e deu bastante trabalho para combater. Também tivemos alguns focos em torno da área urbana, mas menores. Tivemos fogo, no domingo retrasado (27.10), entre o Balneário do Sol e o Balneário Ilha Bonita e na quinta-feira (31.10) um pequeno foco na Boiadeira, na altura da Cohab, entrando na São Domingos novamente, que também foi combatido. Tivemos também, muitos focos de incêndios no entorno – Terra Indígena Kadiwéu, Assentamento Canãa, mas aí já é município de Bodoquena”,

Ainda segundo o secretário, o município de Bonito pode ser beneficiado com o  decreto de situação de emergência, devido ao trabalho bastante ágil da Defesa Civil em relatar os diferentes focos de incêndio, tanto na cidade, como na Serra da Bodoquena, e apresentar a documentação necessária solicitada pelo Governo do Estado, mas é importante destacar que, apesar da quantidade de focos registrados, a cidade não entrou em situação de emergência por causa do fogo, propriamente dito.

“Não que Bonito tenha entrado em situação de emergência decorrente do fogo, isso precisa ficar bem claro, mas o fogo traz uma série de prejuízos, principalmente a saúde. A fumaça aumenta os problemas respiratórios e consequentemente a procura por serviços de saúde. O risco de queimadas não está descartado, embora a gente tenha uma previsão mais intensa de chuva, para o Estado e para a nossa região nesta semana, a partir de quarta ou quinta-feira, e com as temperaturas altas do jeito que estão, está todo mundo de orelha em pé com relação a fogo”, afirma Dinelli.

Turismo

É importante destacar que os atrativos turísticos do município não foram, diretamente, afetados pelas queimadas e que todos funcionam normalmente. Com o período de estiagem, os rios ficam também mais cristalinos e o calor favorece as visitações.

Importância do decreto

O coordenador estadual de Defesa Civil, Fábio Catarineli, explicou que a medida abre portas para o atendimento ao desastre. “Com ela podemos ter acesso a recursos financeiros tanto para resposta como para reconstrução de estruturas afetadas pelo fogo, como pontes, por exemplo. Além disso, se houver a necessidade de contratações relacionadas aos incêndios, pode ser dispensada a licitação”, explica.

Nos demais municípios

O Governo do Estado, com o apoio do Exército, Ministério do Desenvolvimento Regional, Ibama, ICMbio e Corpo de Bombeiros de Mato Grosso e do Distrito Federal, tem intensificado o combate aos focos de calor no Pantanal, abrangendo uma área retangular dos municípios de Aquidauana, Miranda e Corumbá. A área queimada desde o dia 26/10 e a atingida até o último sábado somam 122 mil hectares.

O total estimado foi divulgado pelo Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) e revela a intensidade do fogo na região, devido a prolongada estiagem e ações humanas, que podem ter causado a maioria dos focos. Técnicos do Imasul (Instituto do Meio Ambiente de MS) e policiais da Polícia Militar Ambiental (PMA) fazem um levantamento das áreas afetadas para verificar a origem do fogo, que surgiu em beira de rio e na margem da BR-262.

Alguns focos atingiram também as áreas perto das rodovias na última semana. Na BR-262 perto do cruzamento com a MS-450 entre Dois Irmãos do Buriti e Aquidauana a fumaça prejudicou a visão dos motoristas e exige cuidado. Névoa cinzenta cobriu o céu de toda a região nesta quinta-feira e o fogo continua avançando, em velocidade que tem dificultado o trabalho de combate das equipes.

Policiais rodoviários federais monitoram caminhões com cargas de carvão, que circulam diariamente pela via, por conta do risco de fagulhas atingirem as cargas e causarem incidentes.

O fogo também causa outros transtornos em zonas urbanas. Corumbá foi afetada por diversas oscilações de energia elétrica, desligamento das linhas de transmissão e consequentes variações de tensão na rede elétrica que atende a região, segundo a Energisa.

Já a Oi informou que as queimadas também estão afetando os serviços de internet fixa, causando o rompimento de um cabo de fibra ótica que atende Corumbá e Miranda, afetando parcialmente o serviço. Telefonia fixa e móvel não foram afetadas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *