plan cul gratuit - plan cul toulouse - voyance gratuite amour

Semana tem novas rodas de conversa sobre questões do distanciamento social

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Nos dias 24 e 25 de junho novos encontros virtuais abordam assuntos relacionados ao distanciamento social. Os eventos fazem parte do projeto QuarenTema e são desenvolvidos por profissionais da área de saúde mental da UFMS.

As rodas de conversa são abertas à comunidade e os interessados podem se inscrever neste link..

“Atravessamentos e travessias no período de distanciamento social: repercussões da pandemia na vida dos acadêmicos”
Data: 24 de junho, quarta-feira
Horário: 14h, horário de MS
Mediadora: Marianna de Francisco Amorim, psicóloga da Cidade Universitária  
Convidada: Carolline Mara Veloso Rangel, psicóloga

“A ideia é que os estudantes possam compartilhar suas experiências sobre como tem sido esse período de isolamento social. Os ‘atravessamentos’ desse momento, ansiedades, medos, angústias, e quais as ‘travessias’ possíveis, os caminhos que cada um tem percorrido”, informou a mediadora Marianna de Francisco Amorim.

Carolline Mara Veloso Rangel é psicóloga, mestre e doutoranda pela Universidade de São Paulo. Especialista em Psicologia Hospitalar pelo Conselho Federal de Psicologia. Desenvolve atividades de assistência, preceptoria e supervisão no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (HCFMRP-USP). Atende também em clínica particular.

“Cuidados no uso de psicofármacos em tempos de distanciamento social”
Data: 25 de junho, quinta-feira
Horário: 18h, horário de MS
Mediadoras: Carla F. Graetz Perinotto e Maria Auxiliadora Vieira Dias Rodrigues, psicólogas do Campus de Três Lagoas
Convidado: Lucas Gazarini, professor da UFMS

“Sabemos que o isolamento social traz uma série de consequencias para a saúde mental das pessoas e até por pesquisas recentes sabemos que tem um aumento significativo na procura por psicofármacos. Por isso achamos interessante conversar sobre o assunto que é complexo. O uso dos psicofármacos necessita de avaliação e acompanhamento médico, mas muitas vezes as pessoas procuram de forma indiscriminada, realizando automedicação, ignorando ou até desconhecendo os perigos de se fazer isso. O intuito é promover um debate, uma troca de experiências entre os participantes”, explicou a mediadora Carla F. Graetz Perinotto.

Lucas Gazarini é professor do curso de Medicina, graduado em Farmácia com habilitação em Análises Clínicas pela Universidade Estadual de Maringá, mestre e doutor pelo Programa de Pós-Graduação em Farmacologia, com ênfase em neuropsicofarmacologia, pela Universidade Federal de Santa Catarina.

Texto: Ariane Comineti – com entrevista por Bárbara de Menezes da Rádio Educativa UFMS 99,9

FONTE: UFMS

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *