plan cul gratuit - plan cul toulouse - voyance gratuite amour
Pular para o conteúdo

Institucional

FM 104,7 [ AO VIVO ]

17 de junho de 2024 - 04:15

Sala de Jazz relembra a eterna voz de Billie Holiday

Sala de Jazz com Clayton Sales deste sábado (09/04) relembra a vida e a carreira da saudosa Billie Holiday. O programa vai ao ar a partir das 20h, logo após o Blues & Derivados na programação de sábado na Educativa 104.7 FM e pode ser acompanhado ao vivo pelo Portal da Educativa.

Eleanora Fagan Gough, mais conhecida pelos fãs como Billie Holiday ou Lady Day, nasceu na Filadélfia, nos Estados Unidos, em 7 de abril de 1915. Ela é considerada pelos críticos uma das maiores cantoras de Jazz da história ao lado de nomes como Ella Fitzgerald, Sarah Vaughan e Dinah Washington.

Billie Holiday não teve vida fácil. Filha de pais adolescentes, Eleanora logo viu o pai abandonar a mãe para seguir viagem como guitarrista em uma banda de Jazz. A mãe tinha que deixar a jovem Eleanora com familiares e amigos para poder trabalhar e isso acarretou em uma fase repleta de humilhações e abusos. Uma vida difícil levou a jovem a ter que se prostituir para poder sustentar a si e a mãe.

O começo na música

A vida como cantora começou na década de 1930 quando Eleanora adotou o nome de Billie e começou a cantar na noite, apesar de não ter nenhum estudo ou experiência musical. O começo não foi nada fácil e só depois de três anos cantando na noite que Billie Holiday foi notada pelo crítico musical John Hammond que ficou impressionado pelo tom de sua voz. Ele a apresentou para Benny Goodman e sua big band e em 1933 eles gravaram o primeiro disco da carreira de Billie Holiday.

O sucesso levou Billie Holiday a poder se dedicar exclusivamente à música e levar uma vida melhor mas a depressão sempre acompanhou a artista que ainda casou em três ocasiões e nas três sofreu com maus-tratos e agressões, o que levou a se divorciar dos três. O sucesso veio em paralelo às tentativas de suicídio e o vício em heroína que chegou a levar Billie à prisão. As crises depressivas e a dependência ainda acompanharam um aborto e várias tentativas frustradas de engravidar.

O legado

Entre o começo em 1933 e a publicação da autobiografia “Lady sings the Blues” em 1956, Billie Holiday cantou com as maiores big bands de Jazz da época tendo se apresentado com as bandas de Artie Shaw e Count Basie e as orquestras de Duke Ellington, Teddy Wilson e Louis Armstrong. O apelido Lady Day veio de Lester Young com quem gravou cerca de 50 canções em quatro anos. Billie Holiday faleceria em 17 de julho de 1959, aos 44 anos, deixando um legado inestimável ao Jazz e uma legião de fãs.

Fica aqui uma prévia da homenagem do Sala de Jazz com Billie Holiday cantando “Lady Sings The Blues”, direto do canal da cantora no YouTube:

 

 

Sintonize – Com apresentação de Clayton Sales, o programa Sala de Jazz vai ao ar todo sábado, 20h, na Educativa 104.7 FM. O programa também pode ser acompanhado ao vivo pelo Portal da Educativa ou no Spotify da Rede Educativa MS. Siga o Sala de Jazz nas redes sociais: facebook / instagram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *