Presidente da Cassems visita a Fertel e fala sobre cenário atual da saúde suplementar

Compartilhe:

Ricardo Ayache também alertou servidores sobre a importância de participarem do processo de eleição interna da entidade, marcado para 1º de março, e prestou contas sobre ações da instituição

Ayache falou sobre o cenário da saúde suplementar no país a servidores associados à Cassems. (Foto: Pedro Amaral)
Ayache falou sobre o cenário da saúde suplementar no país a servidores associados à Cassems. (Foto: Pedro Amaral)

O presidente da Cassems (Caixa de Assistência dos Servidores de Mato Grosso do Sul), Ricardo Ayache, reuniu-se na manhã desta sexta-feira (8) com trabalhadores da Fertel (Fundação Luiz Chagas de Rádio e TV Educativa do Estado) para realizar uma breve prestação de contas de ações no comando da instituição, conclamar o funcionalismo a participar do processo eleitoral da entidade –um raro caso no país de autogestão por parte dos próprios servidores– e falar um pouco sobre o cenário atual para os planos de saúde no Brasil.

Após ser recebido pelo diretor-presidente da fundação, Bosco Martins, Ayache se encontrou com os servidores, quando também ouviu elogios e observações dos associados ao serviços prestados pela Cassems.

Ayache reforçou que o processo sucessório na Cassems ocorre com chapa única, o que não deve ser motivo para os envolvidos na eleição não se apresentarem e apontarem propostas para a instituição, principalmente em um período “desafiador para a saúde mundial”. “Seja por nosso caso, de autogestão da saúde pelos servidores públicos, ou próprios que não cabem apenas ao setor de saúde”, pontuou, apontando questões como a economia.

Ele ressaltou o crescimento da Cassems a partir da massa que integrava o Previsul. “Nem o mais otimista imaginar esse patamar, com dez hospitais, 26 centros odontológicos, de prevenção, Clínica da Família, Centro de Atendimento Psicossocial, Centro de Diagnóstico. Muitas coisas que construímos fruto desse trabalho, que é de todos os servidores públicos”, considerou, reforçando haver também uma contrapartida no sentido de ouvir dos funcionários públicos associados suas opiniões e demandas.

Bosco Martins, diretor-presidente da Fertel, durante reunião entre servidores e presidente da Cassems. (Foto: Pedro Amaral)
Bosco Martins, diretor-presidente da Fertel, durante reunião entre servidores e presidente da Cassems. (Foto: Pedro Amaral)

O presidente reforçou que a Cassems, iniciada em 2001, é o único modelo do país gerenciado pelos servidores. Desde então, considera que o posicionamento estratégico de apostar em centros de tratamento próprio também se mostraram acertados e, hoje, servem de inspiração para outras regiões. Tais medidas incluem certo simbolismo, como no caso de Corumbá, “que ficou 106 anos sem ter um hospital novo e agora, em março, vamos inaugurar a primeira hemodinâmica do Pantanal”. O mesmo foi citado em relação a outras unidades do interior que são referência –nesse sentido, frisou que grandes centros, como Campo Grande e Dourados, ajudam a equalizar despesas quanto a permanência da Cassems em diferentes locais.

Transição

Ricardo Ayache também deixou servidores a par de debates nacionais que envolvem desde a maior preocupação com a saúde preventiva, que fez a figura do médico generalista retomar importância de forma a garantir uma velhice com qualidade para uma população cada vez mais idosa; e quanto a discussões de grandes instituições públicas que propõem o fim da contribuição patronal aos planos.

Reunião ocorreu na manhã desta sexta-feira na Fertel. (Foto: Pedro Amaral)
Reunião ocorreu na manhã desta sexta-feira na Fertel. (Foto: Pedro Amaral)

“Conquista nossa que não pode ser ameaçada a todo e qualquer momento. Isso ainda não aconteceu, mas há um debate intenso nacional”, ponderou Ayache, que representa a Cassems no fórum nacional do setor. Nesse sentido, ele reforçou a importância dos servidores participarem de assembleias e se manterem atualizados sobre causas que podem depender de sua mobilização.

Com cerca de 50 mil associados, a Cassems realizará a eleição em 1º de março, das 8h às 18h, com postos de votação em diferentes locais de atendimento à população –em Campo Grande, o Hospital da Cassems, a unidade da rua Antônio Maria Coelho, o Centro de Prevenção da rua Abrão Julio Rahe e o Centro de Diagnóstico da Via Parque.


Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *