plan cul gratuit - plan cul toulouse - voyance gratuite amour

“Os maiores fiscais somos nós, consumidores”, afirma diretor-presidente da AEM-MS no Bom Dia Campo Grande

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Nilton Rodrigues falou ao Bom Dia Campo Grande sobre atribuições da AEM-MS e como a população pode denunciar irregularidades envolvendo metrologia em produtos. (Foto: Humberto Marques)
Nilton Rodrigues falou ao Bom Dia Campo Grande sobre atribuições da AEM-MS e como a população pode denunciar irregularidades envolvendo metrologia em produtos. (Foto: Humberto Marques)

O diretor-presidente da AEM-MS (Agência Estadual de Metrologia de Mato Grosso do Sul), Nilton Rodrigues, foi o entrevistado desta terça-feira (24) do Bom Dia Campo Grande, onde deu detalhes sobre o trabalho do órgão –braço estadual do Inmetro (Agência Nacional de Metrologia)– e apontou algumas das situações pelas quais o consumidor pode ser lesado na aquisição de produtos. E deixou claro: o cidadão tem sua responsabilidade e poder para evitar prejuízos na compra de diferentes produtos com falhas de fabricação ou fora de especificações.

A AEM-MS integra, junto ao Inmetro, a Rede Nacional de Metrologia Legal, que visa a verificar diferentes produtos e equipamentos de aferição de forma a constatar se estão de acordo com as diferentes normas de comercialização e uso. Basicamente, o órgão atua na vistoria, fiscalização e análise de produtos e na certificação de itens de medição (como balanças e bombas de combustível).

Os maiores problemas, segundo Rodrigues informou na FM 104.7 Educativa, envolvem “os produtos pré-medidos, isto é, que são embalados na ausência do consumidor”, como itens vendidos abaixo do peso anunciado. “É comum acontecer nos produtos da cesta básica, por exemplo”, explicou.

Já a certificação envolve o conhecido “Selo do Inmetro”, que atesta a aplicação de testes de qualidade e durabilidade sobre determinado produto, dando mais segurança na compra. Ele está presente em brinquedos, materiais de segurança, mobiliário infantil e automóveis, entre vários outros produtos.

O selo, explica o diretor-presidente, é cobrado quando é constatado um “acidente de consumo”, isto é, há notificação sobre um problema com determinado item no mercado. Caso o item não tenha passado pelos testes, “entramos em contato com o fabricante e exigimos a certificação”.

Segundo o diretor-presidente, a AEM-MS tem um fiscal no raio de 200 quilômetros que, em casos de denúncia, são mobilizados para o atendimento. Os comunicados podem ser feitos pelo telefone 0800-67-5220.

Diretor-presidente da AEM-MS apontou que itens da cesta básica apresentam a maior parte dos problemas relativos à quantificação na hora da venda. (Foto: Humberto Marques)
Diretor-presidente da AEM-MS apontou que itens da cesta básica apresentam a maior parte dos problemas relativos à quantificação na hora da venda. (Foto: Humberto Marques)

Fiscalizações

Respondendo a pergunta de ouvinte do Bom Dia Campo Grande, Rodrigues detalhou ação recente da AEM-MS na Feira Central e Turística de Campo Grande, onde constatou-se que metade das balanças usadas por barracas não tinham aferição do Inmetro. Segundo ele, todos os equipamentos de estabelecimentos comerciais devem ser vistoriados anualmente.

O diretor-presidente do Inmetro apontou que há muitas balanças adquiridas em países como China, Paraguai e Argentina que podem apontar pesagem diferente da anunciada no ato de compra de produtos. O comerciante deve, assim, acionar a AEM-MS ao adquirir um equipamento ou aguardar fiscalização de rotina.

Da mesma forma, ele advertiu que bombas em postos de combustíveis também são verificadas para confirmar a venda da litragem anunciada; e que pontos de venda de GLP (gás liquefeito de petróleo, o gás de cozinha) devem ter balanças para pesar os botijões, de forma a permitir ao consumidor que verifique se, de fato, está levando exatamente aquilo pelo que pagou.

Nilton Rodrigues destacou que o principal fiscal é o cliente. “Os maiores fiscais somos nós, consumidores, pois é humanamente impossível estar em todos os lugares”, destacou, pedindo que a população denuncie as irregularidades. Ao mesmo tempo, reiterou que a intenção não é, necessariamente, punir os comerciantes, já que muitas vezes a irregularidade foi resultado de um equipamento mal calibrado. “Não fazemos caça às bruxas. Se há irregularidade fiscalizamos e, confirmando-se, punimos”.

Sintonize – Com produção de Rose Rodrigues, Allison Ishy e Helton Davis, o Bom Dia Campo Grande tem apresentação de Diana Gaúna, Anderson Barão e Bosco Martins e vai ao ar de segunda a sexta-feira, das 7h às 8h na FM 104.7 Educativa. O programa também pode ser acompanhado pelo Portal da Educativa (na aba Ouça a Rádio).

O ouvinte pode participar ao vivo com perguntas e sugestões por meio do WhatsApp (67) 99333-1047 ou pelo e-mail bomdiacampogrande2018@gmail.com.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *