Mais 40 municípios de MS já podem aderir ao Programa Criança Feliz

Compartilhe:

Em Mato Grosso do Sul mais 40 municípios já podem aderir ao Programa Criança Feliz. Hoje, 28 já fazem parte do programa que é coordenado em MS pela Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Assistência Social e Trabalho (Sedhast). De janeiro deste ano até 18 de novembro foram realizadas 196 mil visitas domiciliares no Estado.

Estão aptos para adesão: Água Clara, Alcinópolis, Anastácio, Anaurilândia, Angélica, Antônio João, Aparecida do Taboado, Aquidauana, Bandeirantes, Bataguassu, Batayporã, Bela Vista, Bodoquena, Bonito, Brasilândia, Caarapó, Camapuã, Costa Rica, Deodápolis, Douradina, Dourados, Eldorado, Glória de Dourados, Guia Lopes da Laguna, Inocência, Itaquiraí, Ivinhema, Laguna Carapã, Maracaju, Miranda, Mundo Novo, Nioaque, Paranaíba, Rio Brilhante, Rochedo, Selvíria, Sete Quedas, Sidrolândia, Sonora, Três Lagoas.

Para aderir o gestor da assistência social deve acessar o sistema Rede SUAS com seu CPF e senha. Depois, basta preencher o Termo de Adesão ao programa Criança Feliz e encaminhá-lo para aprovação do Conselho Municipal de Assistência Social. O Conselho Municipal de Assistência Social deverá inserir a sua aprovação sistema Rede SUAS. Acesse aqui o sistema de adesão.

O Ministério da Cidadania, ao qual o programa é ligado, não estabeleceu um prazo final para os municípios aderirem, mas os interessados devem estar atentos pois existe um limite de recursos financeiros, ou seja, quem demorar pode não conseguir a adesão, conforme explica a coordenadora Estadual do Programa Criança Feliz, Edna Bordon.

Vídeo produzido pela Sedhast, sobre o processo de adesão, pode ser conferido no link: https://www.facebook.com/Sedhast/videos/943772362662830/

Dúvidas perante o processo de adesão podem ser esclarecidas na coordenação estadual do programa via e-mail criançafelizms@sedhast.ms.gov.br ou ainda pelo telefone (67) 3318-4131.

Criança Feliz

O Criança Feliz leva orientações sobre o desenvolvimento das crianças de até três anos inseridas no Cadastro Único para programas sociais do governo federal e de até seis anos que recebem o Benefício de Prestação Continuada (BPC). Por meio de visitas domiciliares, o programa promove apoio às gestantes na preparação para o nascimento da criança, estímulo ao desenvolvimento infantil com atividades lúdicas e, principalmente, fortalecimento do vínculo afetivo entre a criança e familiares.

Leomar Alves Rosa – Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Assistência Social e Trabalho (Sedhast)

Foto: Mauro Vieira – Ministério da Cidadania


Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *