Hoje tem cinema Latino-Americano no MIS com entrada franca

Compartilhe:

O Museu da Imagem e do Som (MIS), apoia a realização do 3º Ciclo de Cinema Latino-Americano, com curadoria de Miguel Ariza Benavides, mestre em Estudos de Linguagens pela UFMS. As exibições iniciaram ontem, e continuam até amanhã, (14), sempre às 19 horas, no MIS, com entrada franca.

O Ciclo de Cinema Latino-Americano surgiu em 2018 visando trazer ao público do Estado um pouco da cinematografia da América Latina, principalmente dos países vizinhos, e por meio das obras, promover o debate sobre os mais variados temas, entre eles o próprio aspecto da produção e do acesso.

Para o curador, Miguel Benavides, o MIS como entidade pública do Estado é um lugar onde as exibições chegam ao público de forma democrática. “É aberto ao público, é de graça, não tem discriminação social”. Para homenagear as mulheres, o curador selecionou filmes que relatam histórias de mulheres à frente de sua época. “Os filmes contam histórias de mulheres que com seu trabalho, sua história, mexeram com a sociedade, o ambiente e seu entorno, e mudaram alguma circunstância. O papel da mulher é importante na arte e no cinema”.

Confira a programação de hoje (13)

VIOLETA FOI PARA O CÉU (Violeta se fue a los cielos) (2012 / 1h50 / Chile, Brasil, Argentina) – Direção: Andrés Wood – Classificação: Livre

Sinopse: O filme conta a trajetória da compositora, artista e cantora chilena Violeta Parra. Esta biografia não segue uma linha cronológica, focando-se em diversos momentos da vida de Violeta, como sua infância na província de Ñuble, sua viagem pelo interior do Chile, as visitas à França e à Polônia, além do romance que ela teve com o suíço Gilbert Favre. O filme é inteiramente intercalado com trechos de uma entrevista que Violeta Parra deu à televisão em 1962.

 

Confira a programação de Amanhã (14)

VAZANTE (2017 – 1h40 / Brasil, Portugal) – Direção: Daniela Thomaz – Classificação: Livre

Sinopse: Brancos, afrodescendentes, nativos e recém-chegados da África sofrem as mazelas derivadas da incomunicabilidade em uma fazenda imponente, na decadente região dos diamantes, em Minas Gerais, no início do século 19.

Serviço: O Museu da Imagem e do Som fica no 3º andar do Memorial da Cultura e da Cidadania, na avenida Fernando Corrêa da Costa, 559, Centro. Mais informações pelo telefone (67) 3316-9178.  (Com informações de Karina Lima)


Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *