Especialista fala ao Bom Dia Campo Grande sobre possibilidades do mercado de ações

Compartilhe:

Marcelo Karmouche divulgou na Educativa 104.7 FM o workshop que dará passo a passo para iniciar investimentos no setor e tirou algumas dúvidas sobre como proceder na compra e venda desses ativos
Marcelo Karmouche concedeu entrevista à jornalista Daniela Benante no Bom Dia Campo Grande. (Foto: Humberto Marques)
Marcelo Karmouche concedeu entrevista à jornalista Daniela Benante no Bom Dia Campo Grande. (Foto: Humberto Marques)

Ganhos vindo do mercado de ações têm cada vez mais atraído a atenção de pessoas curiosas sobre como investir suas economias no setor. Por outro lado, o número de pessoas que fazem essa “aposta” no Brasil ainda é muito baixo na comparação com outros países –cerca de um milhão de investidores, ou 0,5% da população, contra 50% dos norte-americanos, de acordo com números apresentados pelo administrador de empresas Marcelo Karmouche, agente autônomo de credenciado pela Comissão de Valores Imobiliários e assessor da Acqua XP.

No próximo sábado, Karmouche realiza um workshop onde, de forma didática mostrará como funciona o mercado de ações e as vantagens de ser sócio das principais empresas brasileiras –como a conquista da participação nos lucros. Para falar do evento, bem como desmistificar alguns fatos sobre o mercado de ações, ele concedeu entrevista ao Bom Dia Campo Grande desta segunda-feira (8).

“Qualquer pessoa pode participar, mas o primeiro passo que tem de fazer é, pelo menos, um curso, uma triagem. Assim como quando você vai dirigir um carro precisa ir para uma autoescola, no mercado financeiro é igual. Para saber as regras do jogo, como funciona a Bolsa de Valores, os horários, como comprar, como vender”, disse Karmouche à Educativa 104.7 FM. Segundo ele, um primeiro passo é a abertura de uma conta em uma corretora, para ter acesso às maiores empresas, verificar os valores das ações e se o valor disponível se adapta ao investimento.

O suporte profissional, salientou, é importante nesse começo. “Precisa de alguém para, no início, segurar a bicicleta até que se consiga pedalar sozinho”, afirmou. Isso ajuda, por exemplo, a afastar um dos primeiros mitos do mercado de ações: o extremo perigo. “A pessoa mal sabe que o investimento em um negócio próprio talvez tenha mais riscos do que investir nas maiores empress do Brasil, que são lucrativas”, ilustrou.

Karmouche também aponta que as possibilidades de retorno são interessantes, desde que o investidor tenha em mente o perfil a ser adotado e os limites a serem aplicados. A ação de uma empresa do setor elétrico, por exemplo, registrou valorização de 1.928% em dez anos. “Se tivesse posto R$ 5 mil há dez anos, hoje teria R$ 99 mil”. Ele também explicou que há possibilidades de investimentos mínimos, como no chamado mercado fracionário –onde é possível comprar de 1 a 99 ações de uma empresa, diferente dos lotes padrão, que exigem maiores aportes.

“É o que a gente sempre aconselha aos investidores que nunca tiveram experiência para sentir na pele. Ela compra e vê a movimentação e, com o tempo, vai aportando mais dinheiro e comprando lotes maiores, conforme a experiência que vai ganhando”, afirmou, destacando que, hoje, muitos adolescentes fazem esse tipo de aplicação com o que recebem como mesada.

Rentabilidade de ações, em muitos casos, supera a Selic, afirma especialista. (Foto: Pedro Amaral/Fertel)
Rentabilidade de ações, em muitos casos, supera a Selic, afirma especialista. (Foto: Pedro Amaral/Fertel)
Cuidados

Apesar de vantagens no mercado de ações, como uma rentabilidade que supera, por exemplo, a taxa Selic (o juro básico brasileiro, hoje em 6,5% ao ano) em alguns casos, Karmouche alerta que o ganho não é tão fácil como se imagina ou se é ilustrado por meio de youtubers ou “da conversa do vizinho que ganhou dinheiro com ações”. “Exige dedicação e disciplina”.

Como exemplo, ele afirma que nenhum investidor experiente recomenda aportar todo o seu recurso disponível no mercado. “Em um fundo de renda variável com perfil conservador, é em torno de 5% a 10% do capital disponível a investir. Um perfil mais moderado coloca entre 20% e 25%, e um mais arrojado, que se diz totalmente disposto ao mercado, coloca em torno de 30%. Jamais se coloca 40%, 50% ou 100% no mercado de renda variável. Você não sabe qual vai ser o ganho, e o faturamento passado não reflete o do futuro nas ações e fundos de investimento”.

Também há opções para pessoas que não têm habilidade com o segmento, como aplicar em fundos de ações disponibilizados por corretoras, com aportes entre R$ 500 e R$ 1.000. O acompanhamento, porém, é indispensável, frisou o especialista, seja pelo próprio investidor ou por meio da corretora. Isso ajuda, por exemplo, a identificar pontos positivos e negativos de cada ativo e o perfil da aplicação. “Uma empresa ruim pode deixar pessoas avessas, enquanto outras podem ver oportunidades porque o valor está baixo e a empresa é excelente”, ilustrou. “Tudo é interpretação”.

Uma dica para fugir de armadilhas, por exemplo, é verificar o grau de endividamento da empresa da qual se pretende comprar ações. “O grau de endividamento dificulta ela crescer, e você tem de pensar no lucro. Qualquer empresa tem de ser lucrativa”. Outro fato a ser considerado são as informações vindas do noticiário político e econômico –Karmouche afirma que dados sobre o mercado externo, cotação do dólar e a economia do Brasil têm muito mais importância do que os bastidores envolvendo negociações de projetos.

Marcelo Karmouche defende que qualquer pessoa pode investir no mercado de ações, mas alerta para necessidade de aprender sobre o ramo. (Foto: Humberto Marques)
Marcelo Karmouche defende que qualquer pessoa pode investir no mercado de ações, mas alerta para necessidade de aprender sobre o ramo. (Foto: Humberto Marques)
Dá para ficar rico?

Marcelo Karmouche respondeu à jornalista Daniela Benante a pergunta clássica para quem deseja investir em ações: é possível enriquecer? “Tudo depende. Para ficar rico com o mercado de ações, tem de acertar ‘aquela’ ação. Segundo, tem de ter visão de longo prazo”, apontou. Neste último caso, é possível identificar ações que renderam mais de 1.000%. Segundo ele, qualquer empresa que está na lista das 60 mais negociadas na Bovespa “andaram mais de 200% em três anos, enquanto a Selic deu 30% ou 40%”.

O workshop a ser ministrado no sábado (13) terá como objetivo “trazer a realidade para o investidor, de que não há ganhos fáceis, de que aprender é o primeiro passo, entender o cenário econômico, saber o que é a Bolsa e como ela funciona”. Segundo Karmouche, o mercado “nada mais é do que oferta e procura”. O evento será realizado na Faculdade Insted, na rua 26 de Agosto, 63, Centro, das 7h às 12h. As inscrições custam um quilo de alimento não perecível, que será doado a instituições, e devem ser feitas pelo telefone (67) 3201-5999 ou pelo WhatsApp (67) 99290-8811.

Sintonize – Com produção de Rose Rodrigues e Alisson Ishy e apresentado nesta segunda-feira por Daniela Benante e Anderson Barão, o Bom Dia Campo Grande permite ao ouvinte começar seu dia sempre bem informado, por meio de um noticiário completo, blocos temáticos e entrevistas sobre assuntos variados. O programa vai ao ar de segunda a sexta-feira, das 7h às 8h30, na Educativa 104.7 FM e pelo Portal da Educativa.


Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *