plan cul gratuit - plan cul toulouse - voyance gratuite amour

Institucional

FM Educativa [ AO VIVO ]

7 de fevereiro de 2023 - 19:54

Em 8 anos, Estado investe R$ 2,2 bilhões em projetos na Capital

O Governo do Estado investiu mais de R$ 2,2 bilhões em obras e ações em Campo Grande nos últimos oito anos. Esse volume de recursos corresponde a investimentos em obras de infraestrutura viária e mobilidade urbana executadas entre 2015 e 2022, reforço na segurança pública, reforma de escolas, repasses a hospitais, habitação, saneamento básico, conclusão do Bioparque Pantanal e revitalização de parques.

O volume de recursos investidos na saúde superou os R$ 900 milhões em razão da meta estabelecida pelo Governo em melhorar as estruturas dos três maiores hospitais (HRMS, Santa Casa e Universitário), concluir o Hospital do Trauma e terminar o Hospital de Câncer Alfredo Abrão. A rede hospitalar na Capital atingiu a oferta de 1.562 leitos, entre clínicos, cirúrgicos, de UTI e outras especialidades. Em dois anos de pandemia (2020 e 2021) os repasses a Campo Grande também foram expressivos, de R$ 51.529.073,88, mais de 50% de todos os recursos destinados ao enfrentamento da Covid-19 em todo o Estado (R$ 90,9 milhões).

No início de 2022 o governador Reinaldo Azambuja anunciou cronograma de liberação de mais R$ 16,6 milhões para a retomada da obra de ampliação do Hospital de Câncer. “Nós vamos terminar o hospital, tem prazo determinado, e a gente vai poder definitivamente sair de 58 para 202 leitos. Estamos triplicando o atendimento na área de oncologia”, destacou ele, que espera o pleno funcionamento dos sete andares do hospital em 2023.

Na unidade, serão instalados 20 leitos de UTI oncológicos, oito salas de cirurgia e 90 novos leitos de internação adulta. Também haverá dois andares exclusivos para o atendimento da oncologia pediátrica, com 10 leitos de transplante de medula óssea e cinco de UTI infantil.

O Hospital é totalmente voltado para o tratamento de câncer no Estado e atende 98% de pacientes regulados pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Dos recursos já investidos (R$ 90,8 milhões), incluindo recursos do Governo Federal e verbas alocadas por meio de emendas parlamentares, R$ 15 milhões foram utilizados para término de dois pavimentos, sendo o subsolo e o térreo, que foram ativados no final de 2016. Outros R$ 6 milhões foram gastos na compra de equipamentos para aparelhamento dos dois primeiros andares. O governador faz questão de lembrar que a obra não foi iniciada em sua gestão, mas faz parte da lista de obras antigas a serem entregues até o fim do ano.

No montante investido na área de saúde em Campo Grande estão ainda a reforma do Hemocentro (R$ 1,060 milhão), aquisição de equipamentos para a Hemorrede durante a pandemia (R$ 1,87 milhão), reforma e ampliação do Laboratório Central (R$ 1,291 milhão para reforma e R$ 6,7 milhões para ampliação), aquisição de equipamentos ao Lacen (R$ 6,4 milhões; Centro de Reabilitação e Readaptação no HRMS (R$ 8,8 milhões na primeira etapa e R$ 23,8 milhões na segunda etapa para almoxarifado da farmácia, enfermarias e UTI adulto) e reformas no HRMS (R$ 15 milhões em obras físicas e R$ 45,9 milhões em equipamentos médico-hospitalares).

No setor habitacional – construção de moradias e regularização fundiária – os investimentos somaram R$ 394.337.134,12. Ao todo, são 5.030 moradias foram garantidas, das quais 4.902 já entregues e 128 em execução. De títulos de regularização fundiária, 2.985 foram entregues.

Objetivo é conscientizar a população sobre o retorno aos cofres públicos de parte daquilo investido em obras habitacionais

No setor de Educação, o Governo do Estado também fez investimentos massivos, principalmente na reforma de escolas. Praticamente todas as unidades escolares da Rede Estadual passaram por intervenções, de reforma, ampliação ou reparos nas instalações elétricas e hidráulicas.

Foram investidos mais de R$ 200 milhões na garantia da merenda, uniforme e kits de materiais escolares. Os recursos aplicados em melhoria das unidades escolares somam R$ 144,5 milhões.

Campo Grande possui mais de 43 mil alunos em 83 unidades escolares da Rede Estadual de Ensino.

Na área da Cultura, a Capital ganhou um importante festival que já teve duas edições. O “Campão Cultural” foi criado em novembro de 2021 e consolidou-se em 2022 como o maior festival multicultural de Mato Grosso do Sul. Mais de R$ 18 milhões foram investidos nas duas edições.

O novo festival juntou-se aos já tradicionais realizados em Bonito e Corumbá, desde o início dos anos 2000. O “Campão” conquistou a adesão da população, que compareceu em peso na segunda edição, atingindo públicos de até 100 mil pessoas nos shows musicais na Esplanada Ferroviária em uma semana de evento. O caçula dos festivais sul-mato-grossenses chegou para ficar.

Também no setor cultural da Capital, o Governo investe importantes recursos em restaurações de prédios como a Igreja São Benedito da comunidade Tia Eva (R$ 450 mil), o Museu de Arte Contemporânea de MS (R$ 82,7 mil), a Concha Acústica Helena Meirelles (R$ 265,6 mil), a Casa do Artesão (R$ 2,5 milhões) e o Centro Cultural José Otávio Guizzo com o Teatro Aracy Balabanian (R$ 9,3 milhões).

Infraestrutura urbana e viária

Os investimentos em obras de infraestrutura viária e complementação urbana, e prédios públicos, incluindo os projetos em execução, somam R$ 673,3 milhões. O maior volume de recursos foi aplicado nas penitenciárias do complexo da Gameleira (quase R$ 30 milhões), pavimentação da MS-010 (R$ 12,8 milhões), sistema de drenagem (R$ 14 milhões), construção do prédio da UEMS (R$ 13,9 milhões) e adequação da capacidade de tráfego da avenida Euler de Azevedo (R$ 17,4 milhões), além da restauração asfáltica da MS-040 (R$ 9,5 milhões) e asfalto e drenagem no Núcleo Industrial de Indubrasil (R$ 6,7 milhões).

Além da MS-010, outras duas rodovias estaduais no entorno de Campo Grande receberam serviços de cascalhamento e manutenção da Seinfra, com investimentos de R$ 5 milhões.

Na área urbana, em obras de pavimentação e drenagem, foram atendidos o complexo Aero Rancho, Jardim Canadá, Polo Empresarial Miguel Leteriello, Jardim Morumbi, Nova Lima e Jardim Inápolis. Os investimentos em obras de complementação urbana passam de R$ 20 milhões, incluindo a implantação e pavimentação da MS-455, no trecho entre o anel viário até a localidade de Capão Seco e o recapeamento de grande extensão da avenida Mato Grosso, entre a avenida Ceará e a avenida Calógeras.

As reformas em prédios públicos beneficiaram o Centro de Educação Profissional Professora Maria de Lourdes Widal Roma, o prédio do Conselho Estadual Antidroga, laboratórios da Escola Consuelo Muller, prédio da Controladoria Geral do Estado, sede do Instituto Médico e Odontológico Legal (Imol), modernização da Associação Esportiva e Cultural Nipo Brasileira, praças do Jardim Bonança e Serra Azul e acesso ao 6º Grupamento de Bombeiros.

O mais recente investimento na Capital fica na região Sul. O bairro Moreninhas vai ganhar um novo acesso pela Avenida Alto da Serra, ao custo de R$ 42,9 milhões, e a Avenida dos Cafezais, principal ligação viária da saída de São Paulo (Avenida Gury Marques), com os bairros Paulo Coelho Machado, Jardim Canguru e Los Angeles, vai ser duplicada pelo valor de R$ 9,8 milhões.

Duas obras de infraestrutura com impactos para os setores de lazer, turismo, meio ambiente e pesquisa são consideradas fundamentais – a conclusão do Bioparque Pantanal e a revitalização do Parque dos Poderes.

Após 11 anos de obras, o Bioparque Pantanal foi inagurado em março deste ano. O grande complexo recebeu R$ 230 milhões de investimentos. Com cinco milhões de litros de água, ele já é considerado o maior circuito de aquários de água doce do mundo. São 150 tanques ativos, que abrigam 220 espécies neotropicais, entre pantaneiras, amazônicas, africanas e outras da Oceania, Ásia e América Central. Desse total, 33 tanques estão disponíveis para visitação, sendo 23 internos e oito externos.

Com a revitalização do Parque dos Poderes e obras nos Parques do Prosa e das Nações Indígenas, todo o complexo de lazer e de conservação ambiental da região Leste de Campo Grande passou a ser a principal atração do turismo contemplativo, científico e de negócios de Mato Grosso do Sul.

O Governo do Estado investiu quase R$ 19 milhões no recapeamento, drenagem, urbanização e implantação de ciclovia e acessibilidade do calçamento das avenidas do Parque dos Poderes. Outros R$ 4,7 milhões foram investidos na recuperação e controle de erosão na região da cabeceira do Córrego Joaquim Português, além da construção do novo hospital do Centro de Reabilitação de Animais Silvestres (CRAS), que recebeu investimentos de R$ 3,8 milhões.

Por meio de convênios, o Governo do Estado fez, ainda aporte financeiro de quase R$ 100 milhões para os projetos de urbanização dos córregos Bálsamo, Segredo e Taquaral, complexos Anhanduí, Cabaça e Areias.

Segurança

Com investimento total de R$ 56,6 milhões, o governador Reinaldo Azambuja, entregou ao Corpo de Bombeiros, no início deste ano, 26 novas viaturas e 7 embarcações, além de duas aeronaves para o combate de incêndios florestais no Estado.

Antes totalmente sucateada, hoje a corporação, está completamente reestruturada, tanto no que diz respeito a equipamentos quanto pessoal.

Parte dos R$ 56,6 milhões será destinada a construção de um centro de apoio ao 3° Grupamento em Corumbá. O governador também adiantou a construção da base de apoio em combate de incêndios florestais em Água Clara.

As duas aeronaves “Air Tractor” têm a capacidade de transportar até 3 mil litros de água, cada

Todas as 26 viaturas e 7 embarcações também servirão para dar suporte ao trabalho das equipes de combate ao incêndio florestal, facilitando o acesso.

Os investimentos na segurança pública em Campo Grande também foram massivos nos últimos oito anos. De um volume de R$ 106,8 milhões, R$ 38,5 milhões foram aplicados por meio do Programa MS Mais Seguro.

De 2015 a 2021, foram entregues 229 viaturas, sendo 50 carros e 57 motocicletas para a Polícia Militar; 54 viaturas para a Polícia Civil, 46 carros e 7 motos para o Corpo de Bombeiros, 9 carros para o setor de Perícia, 6 carros para a Agepen, além de munição, materiais, equipamentos, construção e reformas de unidades dos Bombeiros, Polícia Civil e sistema penitenciário.

Em 2020, a Polícia Militar de Campo Grande recebeu 10 viaturas modelo L200 (R$ 139.000 cada). Já o Corpo de Bombeiros, entre os investimentos, destaca-se a compra de escada magirus, adquirida por meio de licitação internacional. O investimento foi de R$ 7,48 milhões.

Em fevereiro de 2021, a Polícia Civil de Campo Grande recebeu 48 viaturas caracterizadas SUV 4×4, no valor de R$ 188.800,00 cada. Em julho do mesmo ano foram entregues à Polícia Civil 11 novas viaturas – veículos SUV, Chevrolet Trailblazer, blindados, com motor turbo 2.8, turbodiesel, totalizando investimento de R$ 2.076.800,00. Outros R$ 775.200,00 foram investidos em quatro viaturas do mesmo modelo e entregues à Polícia Militar.

Campo Grande ainda recebeu 49 viaturas em 2022: As caminhonetes S10 LT DD4A 4×4 2.8 foram adquiridas no valor de R$ 195.000,00 cada. Investimento total R$ 9.555.000. Do total de veículos, 4 viaturas foram para a Polícia Militar; 13 para a Polícia Civil; 3 para a Polícia Militar Ambiental; 25 para a Operação Hórus; e 4 para o Patrulhamento Rural.

Edmir Conceição, Subcom
Foto do destaque: Edemir Rodrigues/Arquivo (foto área da Avenida Euler de Azevedo, revitalizada pelo Governo do Estado)

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *