plan cul gratuit - plan cul toulouse - voyance gratuite amour

Com recursos do Fundersul, contorno rodoviário de Murtinho contempla expansão portuária

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Campo Grande (MS) – Cumprindo o cronograma de investimentos em infraestrutura viária e urbana em Porto Murtinho, garantindo suporte aos empreendimentos de transporte rodoviário e hidroviário que estão se instalando na região, o Governo do Estado iniciou a construção do contorno viário para acesso aos portos que margeiam o Rio Paraguai. A obra de R$ 25,2 milhões beneficia também a cidade, tirando o tráfego pesado da área central.

Com a retomada dos embarques no terminal da APPM (Agência Portuária de Porto Murtinho) e o início das operações do novo porto, da FV Cereais, a movimentação de caminhões com cargas de soja é intensa na BR-267 em direção a Porto Murtinho. Próximo à entrada da cidade, também iniciou atividades o Centro de Triagem Mecari, megaestrutura privada que disciplinará o fluxo de veículos aos portos, com um estacionamento para 400 caminhões.

Acesso ao distrito portuário será implantado em dez meses: infraestrutura atende fluxo de cargas em grande escala

“O contorno rodoviário é uma necessidade, para evitar transtornos a cidade, e faz parte de uma estrutura logística fundamental para atender ao fluxo de veículos, que agora só tende a aumentar”, disse o empresário Peter Feter, sócio-proprietário da FV Cereais. “É uma obra que também demonstra o compromisso do Estado e dá garantias e confiabilidade ao investidor, pois a logística é um dos gargalos que hoje travam os nossos negócios”, completou.

Expansão consolidada

Conforme o secretário de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), Jaime Verruck, a pavimentação do acesso é parte de um plano para reforçar a estrutura logística de Murtinho e toda a região Sudoeste de Mato Grosso do Sul. Além da nova estrutura portuária em operação e projetada, o município será o eixo da Rota Bioceânica, que abrirá caminho para os produtos brasileiros ao Pacífico com destino ao mercado asiático.

“Desde 2014 o governo Reinaldo Azambuja criou um programa de incentivos à exportação para potencializar o uso dos portos e, principalmente, da Hidrovia do Rio Paraguai. Houve uma consolidação desse projeto com a instalação e ampliação desses terminais. Por outro lado, fomos instados a oferecer uma infraestrutura ao município, que não dispunha de um acesso adequado”, explica o secretário.

O investimento que o Estado faz, na construção do contorno rodoviário, consolida o projeto de expansão da capacidade portuária e de incremento da hidrovia, que se transforma em importante rota para escoamento da produção, via portos da Argentina e do Uruguai, ao resto do mundo. “Essa obra melhora o acesso à região portuária, facilita o dia a dia na cidade, que já não estava suportando o tráfego pesado, e dá qualidade de vida à população”, finaliza Verruck.

Acesso de 7,19 km atenderá também os novos portos em estudos de instalação, dentre os quais o da Docas de Murtinho (DPM)

 

Prazo de dez meses

O anel viário terá 7,19 km de extensão, do entroncamento com a BR-267, na entrada da cidade, a área portuária, contornando lateralmente ao dique de contenção de cheias construído na década de 1970. As faixas de rolamento terão 3,5 metros de largura e os acostamentos de 2,5 metros, com uma rotatória próxima a bomba de água que drena as águas da área interna ao dique. A estrutura atenderá os portos e futuras instalações alfandegárias e de descarga.

“O contorno não é uma prioridade para Murtinho, mas para Mato Grosso do Sul, pois será mais um meio facilitador para escoamento de nossos produtos”, destaca o prefeito Derlei Delevatti. Ele informou que hoje a Prefeitura disciplina a circulação dos caminhões no centro, em comboio e em três horários distintos, para evitar impactos à população. “Temos que nos antecipar ao que está acontecendo, a cidade evoluiu, o desenvolvimento chegou”, disse.

Solo argiloso dificulta a execução da obra

A obra do contorno foi iniciada em março, em duas frentes, mobilizando dezenas de operários e máquinas. A empreiteira Bandeirantes iniciou os serviços de terraplenagem no trecho próximo aos portos e de limpeza do traçado, cujo solo argiloso dificulta a sua execução. “Mas o projeto foi bem elaborado e em 15 dias vamos entrar no ritmo máximo, com 100 operários, para concluir no prazo de dez meses”, informa Sidney Jose Carvalho, engenheiro da obra.

 

Texto: Sílvio de Andrade – Subsecretaria de Comunicação (Subcom), com informações da Semagro
Fotos: Chico Ribeiro

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *