Com novos arranjos, influência local e algumas ‘surpresas’, Zeca Baleiro promete um show marcante para celebrar aniversário do MPB de A ao Z

Compartilhe:

Uma viagem musical repleta de sucessos e canções marcantes em uma noite de pura emoção do início ao fim, conduzida por músicos que prometem surpreender o público pela qualidade do repertório. Assim será o show comemorativo de 20 anos de carreira de Zeca Baleiro e que celebra o aniversário do programa MPB de A ao Z, da Rádio Educativa FM 104,7, em apresentação única e exclusiva  em Campo Grande, nesta sexta-feira (7) no Centro de Convenções Rubens Gil de Camillo.

Durante a coletiva de imprensa realizada na noite de ontem (6) no Hotel Jandaia que contou com a presença ilustre de Paulo Simões e Geraldo Espíndola , Zeca Baleiro bateu um papo descontraído com a reportagem do PortalE onde fala sobre sua trajetória, dos 10 álbuns gravados, parcerias e projetos futuros e da relação próxima que tem com a música e artistas de Mato Grosso do Sul.

Não é novidade a ligação do cantor com Mato Grosso do Sul, tanto que em 2012, participou de show da Família Espíndola, dividindo palco com Tetê, Alzira, Celito e Gilson, o que comprova o carinho de Zeca Baleiro pelo Estado. Em seu time de grandes nomes está Adriano Magoo, músico sul-mato-grossense que comanda a percussão no palco. Zeca Baleiro foi uma das atrações musicais do Festival de Inverno de Bonito em 2015, cantou “Cunhataiporã” em homenagem ao cantor e compositor da canção, Geraldo Espíndola e o intitulou como o “Bob Dylan pantaneiro”.

“Eu sou fã do Geraldo, imagino também que ele me admire, mas a parceria depende de muita coisa, inclusive da localização geográfica. Da para compor as vezes por e-mail, por mensagem, mas nada substitui o ‘teti a teti’. Mas o amor existe, tenho um amor muito grande pela música daqui desde que o Mato Grosso ainda nem era do Sul, era só MT.

Zeca também relembra que veio até Corumbá para fazer uma “ponta” em um filme gravado por aqui, e escolheu ‘Cunhataiporã’, de Geraldo, para cantar no filme. “O diretor queria que eu cantasse uma canção minha, talvez ‘Lenha’, daí eu disse não cara, deixa eu tocar uma canção do Geraldo, talvez ‘Cunhataiporã’. O filme foi premiadíssimo em festivais internacionais, mas infelizmente não teve distribuidora aqui no Brasil e não passou em exibição”, lamenta.

Os laços com a música local são estreitos, contudo Zeca Baleiro não gosta de dizer que somos “regionais”, já que segundo o artista, nossa música tem influências e elementos de todas as regiões do Brasil, “Nem classifico assim. Sou um artista aberto, tenho muita intimidade com a música do MS, com Almir, Paulo Simões”, pontuou.

Assim como no show do FIB 2015 e outros aqui em Campo Grande, Zeca Baleiro disse que existe uma grande chance de cantar sucessos de artistas da música sul-mato-grossense.” É possibilíssimo. Um dos primeiros shows que eu fiz aqui, foi no Temporadas Populares no início dos anos 2000, no Parque das Nações Indígenas. Fiz uma citação de Almir, Geraldo, coisas que estão no meu imaginário musical, daí um jornalista no outro dia disse que eu estava fazendo média com o público. Então só para ilustrar como nunca as pessoas estão satisfeitas, se eu cantar – que é uma coisa muito sincera para mim, muito visceral, porque é uma gente que eu ouvi muito, uma coisa que eu ouvi muito na minha formação e ainda ouço -, vai parecer que é média. Se eu não cantar, vai parecer descaso”. Ao final da coletiva de imprensa, ele e Geraldo cantaram em capela um trecho de uma música juntos.

Com abertura do fenômeno regional, Chicão Castro, e do renomado cantor e compositor Sandro Bacelar, o show traz canções de sucessos inesquecíveis, como “Telegrama”, “Era Domingo”, “Balada de Agosto” e “Babylon” dos 10 álbuns da trajetória do cantor que integram esse espetáculo tornando-se ainda mais especial com arranjos contagiantes e momentos inesperados e surpreendentes, além de homenagens a artistas que fizeram parte da história do consagrado cantor. O público também pode esperar novidades do cantor, que costuma preparar releituras de músicas de outros artistas. “O resto do show é surpresa”, finaliza Zeca.

O evento é realizado pelo programa MPB de A ao Z, da Educativa FM 104,7, produzido e apresentado por Marcus Barão. O programa MPB de A ao Z integra a grade de programação da emissora desde 1994 e vai ao ar de segunda à sexta das 13h às 15h.

Fotos: Assessoria


Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *