Rádio e TV Educativa de MS

Castração animal: mitos e verdades

0

Castrar o seu animal pode ser uma decisão difícil, considerando as inúmeras dúvidas que surgem em torno deste tema. É importante lembrar que grande parte dos questionamentos não passam de boatos e não ter esse conhecimento pode atrapalhar na hora de você fazer a melhor escolha para o seu bichinho de estimação.

Abaixo estão elencados os principais mitos e verdades sobre esse assunto:

1) O macho poderá se tornar gay

MITO! Machos castrados não perdem a masculinidade ou se tornam homossexuais . Cães e gatos apenas copulam para a procriação. A castração termina com o instinto de reprodução.

2) Meu pet precisa “namorar”

MITO! Assim como citado no item anterior, os animais copulam comprovadamente para se reproduzir e não por prazer. A castração retira esse instinto. Então, o seu animalzinho NÃO precisa ter vida sexual ativa para ser feliz.

3) O animal vai engordar

MITO! Algumas pessoas acreditam que é a castração que causa o aumento do peso, mas isto não é verdade. Como o animal fica mais quieto em casa é normal que ele aumente o peso. Portanto, o indicado é que sejam incluídas rações menos calóricas e específicas para animais castrados. Além disso, o estímulo às atividades físicas  e aos passeios e brincadeiras colaboram muito para que seu pet não se torne obeso.

4) O animal diminui as perambulações e a agressividade

VERDADE! Um dos principais objetivos da castração de felinos é evitar a saída deles (perambulações). Gatos que não foram castrados saem de casa com frequência, seja na busca de parceiros para o acasalamento ou simplesmente para demarcação de território. Após a castração, o animal fica mais tranquilo em casa, evitando-se  ainda a ocorrência de acidentes e atropelamentos que podem acabar com a vida do seu bichinho.

A agressividade dos machos diminui consideravelmente. Cães e gatos costumam se envolver em grandes brigas pela disputa de fêmeas. Com a castração ocorre a redução da libido, e por conseguinte a necessidade de buscar fêmeas  para o acasalamento. Além disso, os cães ficam menos possessivos e ciumentos em relação ao dono, e ocorre a redução da necessidade de ficar urinando por toda a casa para demarcar território.

5) A castração é cruel e brutal

MITO! O procedimento não causa sofrimento ao bichinho desde que executado por profissionais especializados em clínicas veterinárias. O animal é devidamente anestesiado e medicado. Assim não sentirá dor.  Atenção especial deve ser dada pelo dono aos cuidados pós-operatórios, para que ocorra uma boa recuperação cirúrgica e a castração seja um sucesso.

6) Previnem-se doenças com a castração

VERDADE!  O procedimento ajuda a prevenir doenças tanto para machos como para fêmeas. Assim como ocorre com os humanos, cães e gatos podem desenvolver tumores no sistema reprodutivo. Os machos podem ter câncer de próstata e pênis, e as fêmeas de mama, útero e ovário. Além disso, previne-se ocorrências de doenças sexualmente transmissíveis, como a brucelose e o Tumor de Sticker (tumor venéreo transmissível).

7) Fêmeas precisam ter pelo menos uma ninhada

MITO! Não é necessário que as fêmeas tenham nenhuma gestação. Aliás, é até melhor que nunca tenham que parir. Quanto mais cedo a fêmea for esterilizada, menor será a chance de ela desenvolver algum tipo de tumor. Estudos comprovam que castrar a fêmea antes que ocorra o primeiro cio reduz em 95% a incidência de câncer de mama. A indicação é que o procedimento seja realizado a partir do sexto mês de idade.

Superpopulação animal e castração como um gesto de amor e responsabilidade

Todos sabemos o quanto filhotinhos são fofos, mas o fato é que não há lar para todos e o destino da grande maioria  será passar fome, sede, frio e sofrer maus tratos nas ruas da cidade. O número de descendentes que uma única fêmea pode gerar ao longo de sua vida reprodutiva é gigantesco. Segundo a WSPA (Sociedade Mundial para a Proteção dos Animais), uma única cadela, em 6 anos de atividade reprodutora somada a seus descendentes, poderá dar origem a 64.000 animais. Uma gata, em somente 02 anos, poderá produzir 2.000 descendentes.

A castração é a solução para reduzir o número de animais sem dono. Às vezes até encontramos para quem doar os filhotes, mas essa mesma pessoa que pegou esse filhote poderia estar salvando a vida de algum animal abandonado.

E o problema do abandono não se restringe aos animais SRD (Sem Raça Definida), conhecidos como “vira-latas”. Muitos animais de raça  ao atingir a velhice ou adoecer também são lançados às ruas. A Organização Mundial da Saúde estima que só no Brasil existam mais de 30 milhões de animais abandonados, entre 10 milhões de gatos e 20 milhões de cães. A cada dia que passa o número de animais nessas condições só aumenta.

Portanto, cabe a cada um de nós criar nossos animais de modo consciente e racional.  Filhotinhos são atrativos, mas pensando no bem deles, o ideal é conseguir um lar para os animais que já estão aqui, sofrendo com o abandono, ao invés de se criar mais e mais cães e gatos.

Desse modo seja responsável e prove todo o seu amor pelos animais: realize a castração!

 

*Daniela Lima – Médica Veterinária graduada pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Possui especialização lato sensu em Morfofisiologia Básica e Mestrado em Produção e Gestão Agroindustrial, tendo como área de concentração a Produção Animal. Atua como consultora e articulista do Portal da Educativa.

 

Compartilhe:

Deixe sua resposta

Seu endereço de email não será publicado.