plan cul gratuit - plan cul toulouse - voyance gratuite amour
Pular para o conteúdo

Institucional

FM 104,7 [ AO VIVO ]

18 de maio de 2024 - 10:11

Após polêmica em campo, governo brasileiro repudia racismo contra Vini Jr

Mais um caso de racismo ocorrido em campo levou autoridades brasileiras a se posicionarem em um conflito que teve início depois que o jogador Vinicius Junior, do Real Madrid, foi duramente ofendido durante partida no Mestalla, onde o time perdeu por um a zero para o Valência. Na ocasião, um grupo de torcedores do time da casa chamaram o brasileiro de “macaco” ainda em sua chegada ao estádio.

Os insultos continuaram depois com bola rolando e foram flagrados pela emissora Dazn, da Espanha, com gritos de “puto negro”, “cachorro”, “puto macaco” e imitações de macacos.

Vini Jr chegou a denunciar os insultos ao árbitro Ricardo De Burgos e o jogo chegou a ser interrompido por cerca de oito minutos já no segundo tempo. O sistema de som do estádio fez um alertar para que a torcida parasse o comportamento, sendo que um segundo alerta indicaria que a partida estava suspensa. Segundo o técnico Carlo Ancelotti, o brasileiro chegou a cogitar não voltar para a partida.

Por meu de seu perfil no Instagram, Vini Junior afirmou: “Não foi a primeira vez, nem a segunda e nem a terceira. O racismo é o normal na La Liga. A competição acha normal, a Federação também e os adversários incentivam. Lamento muito. O campeonato que já foi de Ronaldinho, Ronaldo, Cristiano e Messi, hoje é dos racistas. Uma nação linda, que me acolheu e que amo, mas que aceitou exportar a imagem para o mundo de um país racista. Lamento pelos espanhóis que não concordam, mas hoje, no Brasil, a Espanha é conhecida como um país de racistas. E, infelizmente, por tudo o que acontece a cada semana, não tenho como defender. Eu concordo. Mas eu sou forte e vou até o fim contra os racistas. Mesmo que longe daqui”.

Nesta segunda-feira (22) o governo brasileiro se manifestou por meio da ministra de Relações Exteriores substituta, a embaixadora Maria Laura da Rocha, que considerou abjetos os atos de racismo contra o atacante do clube espanhol.

Segundo matéria publicada pela Agência Brasil de Notícias, a embaixadora destacou a recorrência dos atos de racismo. “Espanta a persistência dos crimes que são cometidos contra o atleta brasileiro, contra todos os afrodescendentes, e sim, contra toda a humanidade a cada cântico e a cada gesto racista lançado contra o jogador”.

A declaração foi dada pela embaixadora durante a abertura do seminário Brasil-África: relançando parcerias, no Palácio Itamaraty, em Brasília. O evento faz parte das comemorações do Dia da África, na próxima quinta-feira (25).

Sobre a expulsão do jogador brasileiro ao se envolver em uma confusão generalizada em campo, durante o jogo entre os times espanhóis Real Madrid e Valência, no Estádio Mestalla, a ministra do MRE substituta lamentou o ocorrido a uma plateia formada, sobretudo, por representantes de países africanos. “Ontem, na partida, Vinícius Junior levou um cartão vermelho por não ter aguentado tudo aquilo. Lamento muitíssimo”.

“O cartão vermelho deve ser dado ao racismo”, acrescentou.

Apoio de autoridades
Desde o ocorrido, o atleta tem recebido apoio de autoridades do Brasil, personalidades do esporte e colegas do clube espanhol.

O governo brasileiro divulgou, no início da tarde desta segunda-feira (22), nota conjunta à imprensa de repúdio aos ataques racistas. Assinam a nota os Ministérios das Relações Exteriores, da Igualdade racial, da Justiça e Segurança Pública, do Esporte e dos Direitos Humanos e da Cidadania.

O governo federal lamentou profundamente ao governo da Espanha que “até o momento, não tenham sido tomadas providências efetivas para prevenir e evitar a repetição desses atos de racismo”.

E cobrou urgência na adoção de medidas sobre a recorrência dos casos de racismo cometidos contra atleta, naquele país. “Insta as autoridades governamentais e esportivas da Espanha a tomarem as providências necessárias, a fim de punir os perpetradores e evitar a recorrência desses atos.”

As instituições citadas no texto são a Federação Internacional de Futebol (Fifa), a Federação Espanhola e LaLiga.

No documento, o governo brasileiro esclareceu que atua em cooperação com o governo da Espanha para coibir, reprimir e promover políticas de igualdade racial e compartilhar conhecimento e boas práticas para ampliar o acesso de pessoas afrodescendentes e imigrantes ao esporte, mas sem tolerância a toda e qualquer ato de discriminação.

Os ministérios terminam a nota dando apoio ao aperfeiçoamento das melhores práticas internacionais para promover a prevenção e o combate ao racismo e a qualquer tipo de discriminação nas diferentes modalidades de esportes.

Em publicação em rede social, neste domingo, o ministro dos Direitos Humanos e da Cidadania, Silvio Almeida, cobrou uma postura mais firme de entidades esportivas, governos, da imprensa e de patrocinadores. Silvio Almeida criticou a posição do presidente de La Liga, Javier Tebas. “Em vez de se solidarizar com Vini Júnior, o presidente de La Liga resolve atacar o atleta pelas redes sociais. Para além do destempero do cartola, seria o caso de se perguntar como as empresas que patrocinam a La Liga se posicionam”, afirmou o ministro.

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, prestou solidariedade ao jogador atacado e exigiu ações concretas dos empresários que financiam eventos futebolísticos. “Isso é deplorável, inaceitável e deve ter consequências. Espero que essas empresas façam alguma coisa de sério e efetivo sobre o inaceitável e reiterado racismo contra Vinicius Júnior”.

O Ministério da Igualdade Racial afirmou em seu perfil no Twitter que o Brasil vai notificar oficialmente as autoridades espanholas e a La Liga, responsável pelo torneio de futebol profissional espanhol. “O Governo brasileiro não tolerará racismo, nem aqui, nem fora do Brasil! Trabalharemos para que todo atleta brasileiro negro possa exercer o seu esporte sem passar por violências”. A ministra Anielle Franco indignou-se: “Inaceitável! O peito chega aperta de tanta indignação! Até quando teremos que lidar com isso!? Chega de racismo!”

O vice-presidente da República e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, Geraldo Alckmin, no Twitter, considerou inaceitáveis os ataques racistas sofridos por Vini Junior. “O racismo deve ser combatido ativamente e rechaçado em todos os cantos do mundo”.

Liga
Em nota, a La Liga, liga de futebol profissional de clubes da Espanha, informou que solicitou todas as imagens disponíveis para investigar o ocorrido. “Concluída a investigação, caso seja detectado um crime de ódio, a La Liga passará a tomar as medidas legais cabíveis”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *