plan cul gratuit - plan cul toulouse - voyance gratuite amour

Aplicativo de emergência para mulheres vítimas de violência entra em fase de testes nos próximos dias

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

O secretário de Estado de Justiça e Segurança Pública, Antonio Carlos Videira, participou nesta terça-feira (23), na Assembleia Legislativa, de reunião com os deputados Mara Caseiro e Capitão Contar, para discutir o projeto que prevê a implantação do SOS Mulher – um aplicativo a ser instalado em telefones celulares de mulheres vítimas de violência doméstica e com medidas protetivas.

A ferramenta, que é uma parceria do Governo do Estado, Poder Judiciário e Poder Legislativo, há dois anos vêm sendo estudada pela Subsecretaria de Políticas Públicas para as Mulheres, foi totalmente desenvolvida pela Superintendência de Gestão da Informação (SGI) e deve entrar em fase de testes nos próximos dias.

Voltada exclusivamente para mulheres com medidas protetivas, perseguidas por seus agressores e em iminente risco de morte, a ferramenta, conforme a subsecretária Luciana Azambuja, é mais um canal para assegurar os serviços de segurança pública às mulheres vítimas de violência doméstica. “O 190 continuará como principal canal para acionamento da polícia, porém o SOS Mulher é uma forma das mulheres em extrema vulnerabilidade buscarem ajuda de forma silenciosa”, afirma.

A ideia, conforme o deputado Capitão Contar, é que as vítimas consigam acionar o aplicativo ao perceberem que serão agredidas, para que o dispositivo envie mensagens com a localização para a polícia. “Queremos também que ao ser acionado esse aplicativo comece a gravar o ambiente onde se encontra essa mulher vítima de violência”, diz.

Nessa parceria, caberá ao Judiciário o repasse do cadastro das mulheres a serem beneficiadas com a ferramenta. “A ideia é iniciar com um número restrito de mulheres e depois ir ampliando esse serviço, o que queremos é que o aplicativo funcione”, frisa a deputada Mara Caseiro.

Conforme o secretário de Estado de Justiça e Segurança Pública, em Campo Grande o serviço será operacionalizado com a ajuda do Programa de Obtenção de Capacidade Operacional Plena, o OCOP, que em breve será lançado também em Dourados, próxima cidade que deverá ser beneficiada com o SOS Mulher.

“Com novas viaturas e mais policiais, temos como operacionalizar a ferramenta em Campo Grande, para os crimes mais graves, atendendo aquelas mulheres em risco iminente de agressão ou morte. Como em breve teremos o OCOP também em Dourados, podemos ampliar esse serviço também para o município, que é o segundo maior do Estado”, explica Videira.

Agressor identificado

O secretário de Segurança pretende aperfeiçoar o serviço, inserindo dados cadastrais completos e fotos dos agressores dentro do aplicativo, para envio para a polícia ao ser acionado. “É uma forma de otimizar o serviço da polícia”, finaliza.

A reunião realizada na Assembleia Legislativa contou também com as participações da defensora Thaís Dominato, que coordena o Núcleo Institucional de Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher (Nudem) e do secretário estadual de Cultura e Cidadania, João César Matogrosso.

Joelma Belchior, Sejusp
Foto: Divulgação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.