plan cul gratuit - plan cul toulouse - voyance gratuite amour

Apesar da Covid-19, exportações industriais de MS fecham 1º semestre em alta

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Apesar da pandemia mundial do novo coronavírus (Covid-19), as exportações de produtos industrializados de Mato Grosso do Sul fecharam o 1º semestre de 2020 com aumento de 3,2% na comparação com o mesmo período de 2019, conforme levantamento do Radar Industrial da Fiems. De janeiro a junho deste ano, a receita com as vendas internacionais das indústrias locais somou US$ 1,83 bilhão contra US$ 1,77 bilhão nos primeiros seis meses do ano passado.

Segundo o coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da Fiems, Ezequiel Resende, esse foi o melhor resultado para o acumulado de janeiro a junho da série histórica das exportações de produtos industriais de Mato Grosso do Sul. “Na avaliação apenas do mês de junho de 2020 com junho de 2019, o aumento foi de 6,4%, saltando de US$ 319,49 milhões para US$ 339,87”, completou.

O economista destaca que, quanto à participação relativa, no mês, a indústria respondeu por 62% de toda a receita de exportação de Mato Grosso do Sul, sendo também a mesma participação no acumulado do ano até aqui. Ele reforça que os grupos “Celulose e Papel” e “Complexo Frigorífico” continuam sendo responsáveis por 77% da receita de exportações do setor industrial, sendo 510 para o primeiro grupo e 27% para o segundo grupo, enquanto logo em seguida vem o grupo “Óleos Vegetais” e “Extrativo Mineral”, com 11% e 4%, respectivamente.

Principais grupos

No caso do grupo “Celulose e Papel”, a receita no período avaliado alcançou US$ 911,44 milhões, uma queda de 12% em relação ao período de janeiro a junho de 2019, que foram obtidos quase que na totalidade com a venda da celulose (US$ 899,30 milhões). Os principais compradores foram a China, com US$ 515,22 milhões, Estados Unidos, com US$ 110,83 milhões, a Itália, com US$ 69,97 milhões, a Coreia do Sul, com US$ 35,43 milhões, a Holanda, com US$ 25,36 milhões, o Reino Unido, com US$ 24,20 milhões, a Turquia, com US$ 18,33 milhões, a França, com US$ 16,32 milhões, e os Emirados Árabes Unidos, com US$ 14,77 milhões.

Já no grupo “Complexo Frigorífico” a receita conseguida de janeiro a junho foi de US$ 498,23 milhões, um aumento de 8% em relação ao mesmo período de 2019, sendo que 45% do total alcançado é oriundo das carnes desossadas congeladas de bovino, que totalizaram US$ 224,70 milhões. Os principais compradores foram Hong Kong, com US$ 90,14 milhões, a China, com US$ 77,10 milhões, o Chile, com US$ 54,33 milhões, a Arábia Saudita, com US$ 30,42 milhões, os Emirados Árabes Unidos, com US$ 24,88 milhões, o Japão, com US$ 22,87 milhões, o Egito, com US$ 19,47 milhões, o Uruguai, com US$ 17,11 milhões, e Cingapura, com US$ 16,46 milhões.

No grupo “Óleos Vegetais”, a receita conseguida de janeiro a junho foi de US$ 208,47 milhões, um aumento de 124% em relação ao mesmo período de 2019, sendo que 49% é oriundo dos bagaços e resíduos sólidos da extração do óleo de soja, somando US$ 101,49 milhões. Os principais compradores foram a Holanda, com US$ 48,02 milhões, a Indonésia, com US$ 36,30 milhões, a Tailândia, com US$ 34,36 milhões, a Índia, com US$ 20,18 milhões, a Alemanha, com US$ 15,63 milhões, a Dinamarca, com US$ 11,26 milhões, a Polônia, com US$ 11,06 milhões, e a China, com US$ 10,84 milhões.

FONTE: Fiems

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *