plan cul gratuit - plan cul toulouse - voyance gratuite amour

Procon diz que mulher têm direito de decidir sozinha qual método contraceptivo usar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Marcelo Salomão, superintendente do Procon-MS

O Procon de Mato Grosso do Sul está engrossando o coro das manifestações contra a exigência de planos de saúde que recusam a cobrir a adoção de método contraceptivo por meio de dispositivo intrauterino (DIU) sem o consentimento do cônjuge. O Procon defende a aprovação de projeto que tramita na Assembleia Legislativa proibindo a exigência.

Por outro lado, além das garantias constitucionais, está explicito que não há necessidade de consentimento na inserção de métodos contraceptivos uma vez que os direitos reprodutivos determinam que cabe à mulher decidir se quer ou não ter filhos e em que momento da vida.

Está claro que uma lei pode barrar os planos de saúde dessa exigência considerada absurda, mas enquanto não é aprovada, a mulher pode recorrer à Justiça para garantir um direito individual.

Sobre essa questão o programa MS no Rádio, que vai ao ar das 7h às 8h na Rádio Educativa FM 104.7, entrevistou o superintendente do Procon-MS, Alexandre Salomão.

OUÇA A ENTREVISTA

 

  • DIU é um dispositivo no formato de T que é introduzido na mulher através do colo do útero e tem como principal objetivo impedir a gravidez. Há dois tipos de dispositivos: os não hormonais e os não hormonais. Os não hormonais, que são aqueles de cobre e prata, são utilizados para a contracepção. O hormonal é amplamente usado no tratamento dos sintomas de doenças crônicas como a endometriose.
  • Contraceptivos reversíveis de longa ação são os métodos eficazes para evitar a gravidez. Os LARCS (grupo dos contraceptivos reversíveis de longa ação, como os dispositivos intrauterinos (DIU) de cobre e hormonal (de progestagênio), além dos implantes anticoncepcionais. São considerados os métodos mais eficazes para evitar uma gravidez não planejada. De acordo com a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia, o número chega a 55% na população geral e até 80% entre adolescentes.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *